Como lidar com o preconceito gay


Qual gay nunca sofreu algum tipo de preconceito, algum amigo que se distanciou, alguma piada no trabalho ou algum acontecimento na rua?

O preconceito existe em nossa sociedade, na mesma proporção que a homossexualidade é uma realidade social incontestável. A palavra “homofobia” ainda é muito bem aplicada: HOMO quer dizer igual e FOBIA quer dizer medo. Medo do igual ou medo das pessoas que se atraem por outras do mesmo sexo.

Medo e preconceito andam de mãos dadas e isso é parte da natureza humana ou parte do que é colocada pela sociedade. Nenhum indivíduo é desprovido de preconceito. Funciona mais ou menos assim: pela nossa natureza, ou pelo que aprendemos (não dá para saber qual dos dois tem mais influência) tudo aquilo que se distancia da realidade que confiamos, tudo aquilo que aparenta ser diferente ou fora dos padrões pode gerar o preconceito. E em linhas gerais, preconceito nada mais é que a insegurança, o medo pelo que desconhecemos, pelo que não faz parte do nosso repertório ou não entendemos como correto.

O preconceito, o medo, podem se revelar de diversas maneiras. Recentemente vimos na tevê os ataques agressivos a pessoas na região da Paulista. O preconceito revelou-se pela agressão. Outrora, vemos algum amigo se distanciando ou alguma piada no ambiente de trabalho. O distanciamento e a piada podem ser maneiras de manifestação do medo, do preconceito.

A fundo, todos nós temos algum tipo de preconceito. Seja racial, seja pelas diferenças de classe, seja por lugares, comidas, jeito de pessoas, entre outros. Preconceito está também associado a definir ideias sobre algo ou alguém de maneira superficial, sem conhecer efetivamente a fundo, sem experimentar.

Creio que a maneira mais abrangente de lidarmos com o preconceito é, cada um de nós, buscarmos superar os nossos próprios. Buscar superar os nossos próprios preconceitos é entrar mais a fundo em nossos medos, superá-los, tornar igual ou próximo aquilo que parecia diferente ou distante. Lidar com o preconceito é reconhecer a beleza da diversidade, das diferenças. A natureza é assim: diversa, e não seria diferente nas sociedades.

A natureza humana é limitada e a sociedade também. Cabe a cada um de nós, todos os dias, buscar um exercício de superação. Viver também é um exercício de evolução, de quebra de paradigmas, de mudanças.

Você pode optar a ser levado pela vida, de maneira passiva e, quando velho, possivelmente ser frustrado. Ou buscar mudar, melhorar, encontrar melhores referências e, assim, estar mais realizado com você em todos os tempos.

Quem tem muito preconceito costuma não ser uma pessoa feliz. E isso, sim, é um consolo para quem sofre preconceito.

1 comentário Adicione o seu

  1. Leonardo Vitor disse:

    Ola adorei este posti,pois foi muito bem explicado!bom sou gay e realmente nao e facil ser pois infelizmente tem sim muita gente mal informada e que nao sabe respeitar as diferenças e uma pena que tem muita gente assim mas enfim temos que serguimos em frente e enfrentar o preconçeito de cabeça erguida e nao importar pelo que os outros dizem a nosso respeito pois afinal niguem paga as nossas contas!abraços a todos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s