O típico machão da academia

O “machão da academia” está espalhado por aí, em seus grupos de machões, alimentando um estereótipo muito comum. É um tipo curioso, principalmente para alguns gays que, vira e mexe entendem o machão da academia como um homossexual enrustido. Tenho alguns pensamentos sobre esse perfil e divido aqui, no Minha Vida Gay.

O machão da academia é praticamente o estereótipo oposto da bichinha. Vive em grupos com os outros machões e normalmente tomam posse do aparelho de musculação. Seguem um padrão de conversa: mulherada, balada em Maresias, futebol e carros. Não nessa ordem de prioridade propriamente. Machões desse tipo evitam ao máximo assuntos de intimidade e, quando vê dois homens em conversa mais amena logo lançam: “aí, suas bichas!”.

Esses caras normalmente exaltam a galinhagem. Em outras palavras, podem até ter namorada, mas estão sempre indo para as baladas com seus outros amigos do perfil, “catando todas” e mostrando que o desbunde é o que vale!

Se envolver não está com nada!

O que poucos imaginam é que os machões, durante a adolescência ou algum período da vida pouco revelado, já tiveram uma enorme desilusão. Foram encantados por alguma mulher, “a mulher da vida”, uma paixão platônica, que acabou detonando com tudo e, aí, quando tudo desmoronou, se sentiram perdidos. Ato imediato: suprimiram o sentimento ruim e deixaram aflorar o perfil do machão, catador e “inescrupuloso”. Animal.

Passaram a frequentar a academia e perceberam que outros machões do tipo estavam por ali buscando por sua autoestima: a identificação é praticamente imediata!

Daí, machões com machões formam comunidades. Começam a sair juntos, reunir outros caras e invadem a noite para sair a caça. A academia passa a ser ponto de encontro definitivo para esses caras. Para colocar as conversas em dia ou marcar alguma coisa. Para tratar a mulherada como presas já que “nunca mais” vão se deixar envolver.

Acontece que machão não assume, mas sem querer acaba suprindo a parte emocional com os outros machões-amigos. Viram camaradas, quase irmãos e, vez ou outra brigam entre si, pelo puro sentimento de decepção ou chateação. Mas machões como esses precisam um dos outros, se entendem e logo a harmonia se restabelece.

Não, a princípio eles não são gays porque homem hétero com homem hétero pode ter sentimentos “fraternais”. Ou melhor, pode suprir carências afetivas numa espécie de camaradagem. Claro que esse tipo de conversa não rola entre machões. Mas eles sabem o que há.

Daí, juntos, atacam para suprir outra necessidade: a do sexo.

Assim, vivem relações rápidas com outras mulheres até a página dois, sem envolvimento afetivo ou emocional. Afetivo e emocional é bom com o outro amigo machão! Cada noite é uma mina, beijo, corpo a corpo e depois deixa quieto. Passar da página dois é perigoso porque pode rolar envolvimento e, assim, pode machucar, “pode se dar mal”. Machão sente muita dor de sentimento quando machuca. Mas não revela. É machão.

O amor entre machão com machão é inabalável!

No final, tem machão que se descobre gay porque além do sentimento, começa a se sentir fisicamente envolvido por outro machão. Tem machão que continua machão até quando a vida permitir. E tem machão que cansa da vida, toma coragem e se envolve por outra mina. Dessa vez, vai tentar não sofrer tanto.

Machão, na verdade, tem medo da dor. Por isso se esconde no machão.

9 comentários Adicione o seu

  1. Peter disse:

    Sem comentários, cara! Excelente texto! Eu, como recente frango de academia, espero não topar com esse tipo!
    Abraços!

  2. Olha eu aqui de novo, não queria comentar, pois fostes perfeito, é exatamente assim, ´deveriam sair do armário, seriam mais felizes, e não ficariam tentando tratar mulheres como capacho, como um brinquedinho qualquer só porque não assumem o que são, transferem toda a sua frustração, a sua raiva de não aceitação de si mesmo para as mulheres que por alguma infelicidade cruzam o seu caminho. Você não tem noção, é patético o que tenho lido nesta web e também vivido no dia a dia contra a mulher, e ainda se acham muito inteligentes, não percebem que estão dando a maior bandeira. Está escrito na testa, só eles não sabem que estão indo contra a própria natureza, porque este tipo de machão é perfeitamente identificável como um gay enrustido. É que ninguém contou para ele ainda. Se me permites, gostaria de colocar o link deste post no meu blog.
    Grande abraço.

  3. joão disse:

    odeio esse tipo de bicha,se sentem superiores aos outros gays só porque são machões,bando de viadinhoooooooooooo nojento.

  4. greise disse:

    eu axo q meu marido é guey emrrustido.

  5. Concordo…..e acho que é bem pior que isso….Eles se enchem de anabolizantes, esteroides, etc….Tem os testículos atrofiados e geralmente um pênis pequeno….Adoram o espelho mas não conseguem transar com eles mesmos(é impossível) e por conta disso são péssimos de cama, pois se amam demaissssss. ah!!!! estava esquecendo……Porque será que são chamados de BARBYE? Em resumo, são o erro … fora que eles não chegam a velhice….morrem antes devido a tanta porcaria que se injetam. Ser antipático é nojento.

  6. ed disse:

    Conheço gente assim, vivem chamando o afeminados de todo tipo de coisa mas no fundo curtem outro macho. Chegam a ser ridículos.

  7. Robert disse:

    Nossa, descreveu com exímia perfeição praticamente todo machão que eu já conheci. Ah, eu ainda vou declamar este texto pra um grupo deles na frente da academia toda. O machão é realmente patético, um moleque carente que jamais crescerá, o futuro tiozão da BMW – ou só do Uno velho mesmo.

Deixe uma resposta