Sou gay enrustido! E agora?


No meu sincero ponto de vista, a gente não descobre que é gay. No fundo, a gente sempre sabe o que mais nos atrai, mas por um grupo de motivos, a gente descarta a possibilidade ou esconde para evitar a exposição ou conflitos com a família e a sociedade. Conflitos, as vezes, com nossos próprios princípios, do que consideramos moral e correto. De fato tem muitos gays que, se pudessem mudar essa situação, fariam. Fariam porque, em nosso imaginário, é mais difícil do que fácil seguir o caminho da homossexualidade, cheio de indefinições, esteriótipos e preconceito. Tem muito gay que acha tudo isso errado e força um perfil padrão da heterossexualidade.

“Tenho desejos com alguém do mesmo sexo, mas vivo uma vida heterossexual. Então me livro das dificuldades”. Engano seu!

Dessa maneira, apresento algumas situações nas quais os gays enrustidos podem facilmente passar e, direta ou indiretamente, envolvem outras pessoas.

Ser gay no universo das celebridades: por que um artista raramente assume que é gay?

Existem um grupo de atores globais que de fato são gays mas não revelam. É bastante complicado um galã de novela assumir pelo seguinte motivo: galã que dá audiência atrai predominantemente um público feminino. Sair do armário e expor a intimidade, primeiro que é desnecessário, e segundo porque pode mexer diretamente com a fama do ator. Em outras palavras, se mexe com a fama, pode ofuscar a audiência e, assim, como a Globo faz com muitos artistas, é “obrigada” a deixar de molho se não trás retorno para a emissora. Há rumores que o Reynaldo Gianecchini e o Henri Castelli sejam gays. Mas, por hora, são só rumores e, se realmente forem, a intimidade é deles!

Ricky Martin, um gay assumido e resolvido.

Depois de uma longa carreira, como de Ricky Martin, Elton John e George Michael, fica mais “fácil” ser gay para o mundo. Mais fácil porque estão com a carreira consolidada, resolvidos como são e com uma bela conta bancária por gerações. Mais fácil também porque artistas estrangeiros e gays lidam com um público predominante mais esclarecido, ou melhor, o público brasileiro, o público do terceiro mundo, é ainda mais limitado quando esse tema da homossexualidade do artista está em pauta: podem deixar de dar audiência se o artista expor a sua intimidade!

Na relação de pais e filhos: acho que meu pai é gay e não sei o que fazer.

Assumir a homossexualidade, encarar esse assunto com clareza e maturidade, as vezes, pode levar anos. O homem pode casar, ter filhos e, só depois de algum tempo que deixa liberar essa possibilidade. Isso acontece, basicamente, porque a sociedade e a cultura familiar impõem a regra rígida de que o homem tem que ser macho, ser bem casado, ter filhos e construir uma família.

Apesar de toda modernidade do mundo atual, muitas famílias preservam o lado tradicional do casamento, dos “bons costumes” e da cultura familiar. Temos no mundo moderno mulheres cada vez mais independentes que buscam bancos de esperma para serem mães solteiras, temos casais que moram em casas separadas, pessoas que se juntam sem a formalização no cartório e na igreja, solteiros convictos e felizes, amigos perpetuando o convívio em repúblicas e muitas outras variantes bem aceitas. Mas ainda temos o modelo tradicional e “bonito” que “obriga” pessoas a seguirem costumes herdados por gerações.

Nessa onda é certo que alguns homens que tem que reprimir vontades (pela própria insegurança ou pelo medo social) e que definitivamente não se aceitam como gays acabam deixando aflorar seus desejos depois de casados e com filhos, num tempo incerto. A verdade, do desejo, vai sempre existir dentro da pessoa, reprimida, calada, escondida, no imaginário. Talvez haja consciência disso, talvez haja pouca. Mas, em algumas oportunidades, das mais corajosas como dar um pulo no cinemão quando os filhos estão viajando com a esposa, até as mais sutis, como acessar sites gays enquanto a família não chega em casa, o homem, pai de família e gay, acaba dando vazão para as suas vontades ou curiosidades.

A princípio, descobrir que o pai é gay gera confusão, aflição e fica aquela sensação de não saber o que fazer. Dá um gelo, uma insegurança, uma vontade de não acreditar. Fica a dúvida se chama o pai para o assunto ou não.

E se o pai for realmente gay? O que fazer? Enquanto você estiver vivendo o conflito dessa possibilidade, se você pegou alguma pista, é melhor relaxar primeiro. Com a cabeça quente ou confusa não se faz nada. Depois, que as coisas se acalmarem dentro de você, a velha e boa conversa, que cito em tantos posts deve prevalecer.

Acho que meu pai é gay. O que fazer?

Se você é filho, creio que em um primeiro instante é melhor não envolver ninguém mais da família. Deixe o assunto entre você e seu pai, busque conversar e ver como ele vai reagir. Seu pai pode negar, pode ficar nervoso, pode achar um absurdo ou um abuso, pode ficar abalado, pode chorar e pode um pouco de tudo isso. Uma reflexão: ninguém, consciente ou inconscientemente, deixa alguma brecha dessas à toa, principalmente num contexto tão “cabeludo” e familiar. E se chegou a hora dessa conversa, vá com maturidade, ou calma, privilegiando o diálogo.

Uma situação desse tipo envolve valores, expectativas e pode mexer bastante com a gente. Não é possível trazer todas as respostas por aqui. De qualquer forma, esse fato que leva para a família uma fase de crise longa ou curta de ansiedades e reflexões, deve terminar cordialmente, em paz e compreensão.

Um dos melhores amigos ou aliados em situações de “saia justa” desse tipo é o tempo. TEMPO, que deve soar com letras garrafais nesses momentos.

Entre namorados heterossexuais: acho que meu namorado é gay. O que fazer?

Assim como na situação acima, o namorado – aparentemente heterossexual – que deixa alguma brecha de sua real sexualidade, vai gerar confusão, sentimentos ruins, aflição, decepção e um pouco mais. A diferença é que, numa relação que só existe namoro e não existem nem filhos, nem compromissos de casamento, o choque tende a ser mais ameno (ou não! rs). Depende muito de como a mulher encara a situação e depende também do homem, se “desmascarado”, como conduz a relação a partir de então.

Importante que a menina que desconfie do namorado não tente criar uma situação de “desvendar na base da pressão”. Pressão para quem é gay que não consegue se assumir é a deixa para que fuja ou “escorregue”. Tente “chegar junto”, com calma, com diálogo (se isso for possível!). O cara, nessa situação, precisa mais de amparo do que você imagina. A princípio você se sente traída, usada, pode sentir nojo ou revolta. Mas olha, uma dificuldade você não vai ter na vida: ter que se entender como homossexual num mundo que (ainda) trata esse assunto com preconceito e rebaixamento! Lembre-se que, pela intimidade e afetividade, talvez você seja a pessoa que mais possa ajudar!

Acho que meu namorado é gay. O que fazer?

Certo ou errado, bem ou mal, ser gay nesse “Mundo Brasil” é um tremendo desafio. Creio que, da maioria dos gays, os que realmente encaram essa orientação de cabo a rabo, que vão viver uma vida gay, que se resolvem como tal e que aproximam suas famílias dessa realidade com naturalidade são poucos ou pouquíssimos. Tudo isso é um chão e normalmente leva anos!

A grande maioria está preso as correntes sociais ou psicológicas da não aceitação. Não duvido que não existam “namorados de meninas” que pensem: “eu tenha essa estranha atração por homem. Mas não sei o que é não construir uma família, casar e ter filhos”.

Pode até ser, queridos leitores, que um ou outro gay consiga carregar esse fardo da tradição heterossexualizada para o resto da vida. Mas não deixar de pensar, sonhar ou dar uma escapadinha por aí é praticamente impossível. E aí, o bicho pega.

Ou melhor: a bicha é pega! ;)

11 comentários Adicione o seu

  1. Peter disse:

    Faltou falar daquele gay que é assumido pra si mesmo, não deseja viver como hétero, mas não aceita o estilo GLS de viver “nas sombras”. Não curte nada relacionado ao mundo gay, e gostaria de viver com seu parceiro no mundo hétero da mesma forma que um casal “normal” vive. E por isso acaba – na maioria das vezes – ficando sozinho. Será que esse tipo também pode ser chamado de enrustido?

    1. minhavidagay disse:

      Pode sim, Peter.
      Mas e existem muitos com esse perfil também, que não necessariamente estão escondidos ou têm hábitos totalmente gays.

      Onde estão? Por aí, atrás dessa tela, nas ruas, no trabalho, entre amigos e, também, nos “guetos gays”.

      Não acredito que pessoas desse tipo estão fadadas a solidão. Não acreditar ou não gostar do meio GLS nao quer dizer não conhecer!

      As vezes o “não gostar” é apenas uma proteção para o “não conhecer” ou “temer o que aparenta ser assim ou assado”. Mesmo nos lugares GLS sempre dá para encontrar o seu espaço sem ser “contaminado”.

      Eis um tipo de oportunidade que precisamos nos dar: conhecer para ver qualé a real! ;)

  2. joao brito disse:

    sou e bem assumido e nao compriendo os que sao totalmente heteros, mais na cama sao totalmente passivos. vamos refletir as coisas aiii forte abraço.

    1. minhavidagay disse:

      Olá João!
      Tudo bem?

      Lidamos com uma diversidade imensa. Aliás, o ser humano é um ser diverso. Raças, credos, cultura, valores, gostos. Acho que entendi quando você diz: “não compreendo os que são totalmente héteros, mas na cama totalmente passivos”. Creio que você quis dizer que existam gays que não têm nenhum trejeito, mas que na hora do sexo preferem ser passivos. Se foi isso, o que posso dizer que é algo normal! Porque um gay masculinizado, ou, que tenha toda pinta de hétero não pode ser passivo? Pode, assim como também pode ser ativo, ou até melhor: versátil.

      Ser gay não quer dizer ativo ou passivo. Ser gay, em essência, quer dizer gostar e se atrair por outro alguém do mesmo sexo. Os gostos íntimos são variáveis. Assim como há gays masculinizados que preferem ser passivos, existem gays afeminados que preferem ser ativos! Como já comentei no post “Ser ativo e ser passivo”, existem todas as possibilidades e, de preferência, que o gay desbloqueie a mente um dia e possa desfrutar de ambos prazeres na cama sem rótulos. Ou seja, não há ligação nenhuma de um gay ser masculinizado e não poder ser passivo!

      Eis o meu ponto de vista!

      Abraço!

  3. Elsa disse:

    Custa até a afirmar uma coisa destas, mas receio que o meu namorado possa ser homossexual enrustido por diversas razões! A primeira e mais flagrante passa pelo completo gelo sexual, pela falta de pimenta se me faço entender e quando acontece pode durar uma eternidade até ele atingir o orgasmo, mas se me coloco de quatro ou a penetração é feita por trás então é só mais um minuto e já está!! De tal forma que quando me canso já sei como acabar com aquilo! Nem conversas podemos ter sobre sexo que ele se encolhe, quando o assunto é homossexualidade então aí ele fica completamente mudo, ou apressa-se a expressar nojo e a rebaixar brevemente os gays ou dá respostas evasivas como “pois” “sim” e muda de conversa. Quando lhe pergunto por fantasias apressa-se a dizer “Sou normal!” “Não desejo mais nada, estou satisfeito assim!”, estranho porque toda a gente tem fantasias ou acha alguma piada a conversas apimentadas. A frieza passa também pela falta de contacto físico, falta de abraços, de carinhos, os beijos são normalmente só selinhos (infelizmente ele não é muito bom beijador!). Na cama deita-se e dorme, não me toca de nenhuma forma erótica ou sexual, não demonstra qualquer atracção física, não sabe criar o ambiente e por muitas vezes quando me mostro interessada ele rapidamente percebe e antes que vá mais longe diz, “Estou tão cansado” “tenho que dormir”. Eu tomo conta de mim, sou fisicamente interessante, estou sempre asseada e cuidada mas estas atitudes chegam a afectar a minha auto-estima porque fico cheia de dúvidas! Acontece também que no início do nosso namoro reparei nalguns tiques na forma como se move, especialmente nas ancas e no posicionamento das mãos, lembro-me de pensar por momentos “Que pena!” mas ele estava todo enrolado a dançar com uma loira e parecia interessado, acabei por ignorar aquele instinto, a verdade é que uma amiga minha também reparou e quando comentei “Aquele rapaz é lindo!” ela respondeu “Aquele??? Aquele é gay, já viste os tiques dele?”. Nessa mesma noite acabei por o conhecer e namoramos à 3 anos. Outra razão que alimenta este meu receio é o facto de o nosso relacionamento ter sido todo o tempo à distância, estávamos juntos por 2 semanas de 3 em 3 meses, só estamos a morar juntos à um mês e ele assim do nada diz que tem que ir correr e desaparece por 40 min! (para quem corre tanto ele padece de forma física deveria ser mais evidente no corpo dele tanto desporto, mas a verdade é que não tem uma aparência atlética!). Outras coisas que reparo são alguma agressividade, comportamento explosivo sem razão, atitude muito egocêntrica muito centrado nele mesmo, preocupado só com os seus objectivos, parece ignorar que eu tive que deixar o meu país para estar com ele. Ele não se mostra nada apaixonado. Quando lhe digo que me vou embora ele responde “Eu amo-te, por favor fica, não quero que te vás embora!” o que me deixa confusa. Enfim, estou mesmo a pensar deixá-lo!!!!!!!! Será que ele é somente assim um cara frio ou existem razões suficientes para suspeitar! Digam-me como tirar essa dúvida da cabeça sem o confrontar correndo o risco de o ofender e de o magoar com acusações, dado que tentar uma aproximação suave com ele é impossível, ele foge sempre do assunto e forçar a conversa ia tornar as minhas dúvidas muito evidentes. O que devo de fazer?

    1. minhavidagay disse:

      Oi Elsa,
      boa noite, bom dia ou boa tarde!

      Primeiramente, fico bastante contente pelo contato direto de Portugal! Noto que o Blog Minha Vida Gay tem leitores de diversos países do mundo e isso dá mais validade e credibilidade para o projeto.

      Entendi muito bem seu português de Portugal! Espero que você entenda o meu!

      Bom, Elsa, a primeira coisa que você precisa notar é em que momento que acabou a libido, a atração física e o contato carinhoso por parte do seu marido. Vocês namoraram três anos e durante esse período como era? Ele sempre foi “gelado”? Se ele sempre foi gelado e você não queria ver, talvez aumente as chances dele ser mas não é uma condição definitiva.

      Trejeitos ou “tiques” como você comentou não caracteriza necessariamente que um homem seja gay. Eu mesmo tenho alguns amigos que são delicados, com esses tiques, mas são heterossexuais e bem resolvidos.

      Uma coisa que penso é que os países da Europa são mais evoluidos que o Brasil na questão da homossexualidade. O que quero dizer com isso é que, se ele realmente fosse gay, será que ele já não teria assumido antes de um envolvimento por você?

      É normal as relações esfriarem com o sexo depois de um tempo. A fidelidade por anos com um parceiro pode ter esse tipo de preço que nem todos pagam. No Brasil, por exemplo, virilidade e apetite sexual contam demais. Quando esfria na cama, os casais tendem a romper, a buscar novas aventuras e novas paixões.

      O fato dele não querer falar a respeito de assuntos de homossexualidade é o ponto mais intrigante de seu relato. As pessoas, homens e mulheres que são bem resolvidos em sua condição de heterossexual ou homossexual, costumam falar naturalmente sobre o assunto de sexualidade, sem se esquivar, sem uma conversa monossilábica, costumam desenvolver uma opinião sem grandes constrangimentos!

      Quando ele gosta de “pegar de quatro” e fazer por trás não quer dizer que tenha tendências gays. Alguns homens gostam mesmo dessa pegada mais animal e nem sempre isso faz referência exclusiva à homossexualidade.

      Por fim, Elsa, eu não vejo muita saída senão uma conversa direta. Colocando seus pontos, que você não está satisfeita com a situação, que ele é distante, que não existe carinho da relação e que essa situação te deixa bastante chateada. Acho que não é necessário colocar a sexualidade do seu marido em questão. Mas acho justo com você mesmo que expresse seus sentimentos, suas chateações e que o modelo da relação não está te deixando feliz. Colocar todos os pontos sem insinuar que ele seja gay.

      Não tem jeito, Elsa. Seja aqui no Brasil aí em Portugal, na China ou na Austrália, o ser humano precisa aprender a desenvolver cada vez mais a capacidade de comunicar-se com o outro. Precisamos de mais franqueza, precisamos aprender a não termos meda da exposição e tratar com objetividade os assuntos que nos incomodam. Sem essa conversa aberta e franca jamais você vai saber se tudo que se passa em sua cabeça é fantasia. Ou melhor, bem a relação não está por todos os pontos que você colocou. Mas por quais motivos? Será mesmo que seu marido é um gay enrustido? Ou será que existem outros motivos para justificar esse afastamento da relação?

      Bem, espero ter ajudado!

      Fico a disposição para falarmos mais do asssunto.

      Abraço,
      MVG

  4. Luyz Karlos M. disse:

    Cheguei até a passar por homem macho. Mas na verdade mesmo sempre tive vontade de soltar a franga, sair do armário. Hoje estou realizado.

  5. mailson lima disse:

    estou sofrendo muito, pq quero muito me assumir, mas ñ tenho coragem, penso em cada coisa ruim…
    se vc é gay assumido para sua familia, entre em contato comigo pelo facebook para conversarmos, por favor!
    Mailson.lima.524@facebook.com
    espero seu convite de amizade….

  6. Oi galera :) bom eu tenho 15 anos e faz um mês mais ou menos q me “assumi” gay sabe minha mãe e meu pai odiaram e eu estou em um beco sem saída eles disseram q se eu quiser ser gay tenho q sair de casa pois – De acordo com ela – ela nunca vai aceitar “isso” dentro de casa ou seja me assumir foi a pior furada por agora . Bom mais já q eu “assumi” – Nao posso contar nada pra ngm – Alguém me ajuda a como eu posso encontra alguém da minha idade pra cv sobre essas coisas um amigo de verdade pois eu estou muito sozinho aqui na minha cidade :( PS: agradeço . ME MANDA MSG PELO TWITTER @Andre_Potter_ (nao vou divulgar mais contatos por questao de segurança )

  7. Pietro disse:

    Galera,
    Não bastando a sociedade, tem a questão da igreja e bíblia e bla bla.
    Pensam só que estou sofrendo?

    Deem uma olhada no meu blog http://falandosobrehomossexualidade.blogspot.com.br/

  8. Pietro disse:

    Olá,

    Eu estou passando por uma situação bem delicada.
    Minha família toda é evangélica e fundamentalista e eles não sabem sobre minha orientação sexual. Eu vou na igreja desde o berço e sei como as coisas funcionam. Não aguentaria 1 semana a pressão se resolvesse contar a verdade.
    Todos os meus amigos são da igreja e heteros (Pelo menos é o que eu acho). O único amigo que sabe de toda a verdade, que contei recentemente, está me evitando.
    Gosto de participar das atividades da igreja. Sou bem envolvido! Mas não há lugar para pessoas como eu lá (até eu assumir é claro).
    Só espero que as coisas acabem bem.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s