Gays enrustidos que querem se libertar!

Mensagem dedicada aos gays enrustidos

Nossos amigos “armariados”, os gays enrustidos, visitam o MVG com mais frequência nos finais de semana e principalmente nos feriados. Provavelmente por causa do tempo que sobra e, possivelmente, para poder acessar o Blog em determinado momento sem ter a possibilidade de um flagra! Família está viajando, estão com privacidade e dá para buscar informações sobre a homossexualidade sem medo.

É por essas e outras que o visual do Blog MVG é totalmente discreto, sem nenhuma apologia. Primeiro porque acho que ser gay não precisa ser multicolorido com banners pulsando de todos os lados, e segundo porque pensei, sim, nos gays que querem discrição.

Tudo bem, amigos gays enrustidos. Podem relaxar e prometo postar mais assuntos e reflexões sobre o “came out”, sair do armário ou assumir a homossexualidade como vocês solicitaram na pesquisa.

Feriado prolongado, passarei em São Paulo e terei apenas um compromisso aqui e ali. Vou pensar em algum assunto bacana para compartilhar com vocês. Enquanto isso, a dica principal que fica é: a primeira trava que o gay enrustido deve se desprender é a da própria cabeça. O medo de preconceito, da família, o medo de abalar a imagem, os “disfarces” da bissexualidade ou da aparente assexualidade, o perfil nerd, roqueiro, mauricinho, religioso, hippie, “amigão da galera” são, na maioria das vezes, criações da nossa cabeça que construímos como uma maneira de auto-punição, ou de auto-proteção de um mundo “medonho”, “preconceituoso”, “promíscuo” e “vil”.

Em outras palavras, a gente se prende aos medos, a aparência ou a uma imagem justamente para ter desculpa para não ter que assumir e enfrentar, ou para nos proteger e nos resguardar.

Essa conscietização, bem ou mal, é o primeiro degrau para o começo da realização.

Todo mundo quer ser aceito ou querido. E dá para ser gay, feliz e continuar sendo querido.

4 comentários Adicione o seu

  1. Darkbringer disse:

    Só devo agradecê-lo pelo apoio. Tantos e tantos gays procurando ajuda e encontram um blog como esse… É lição de vida. É ensinamento. São os conhecimentos de uma pessoa madura que já viveu o suficiente para dar conselhos a quem ainda vai viver. Sou novo ainda. Não vivi quase nada, mas minha maturidade me permite que eu viva com consciência, que eu não arrisque a quebrar regras e fazer coisas erradas por uma consciência que grita mais do que qualquer outra. Não que eu nunca tenha quebrado regras. Sou feliz e a cada dia alimento cada vez mais essa felicidade. Quanto mais velho fico, mais feliz eu fico. Mais eu aprendo a levar as coisas mais na boa. Quando mais jovem, eu levava mais a ferro e fogo. Hoje, aprendi a lidar melhor com isso. E, para um jovem que está na adolescência, minha maturidade é muito superior à idade. Sinto vontade de namorar, de dirigir, de ter casa própria. Sinto vontade de experimentar o que ainda não tive vontade de experimentar. Me nego a me aproximar das drogas, incluindo o cigarro. E não gosto de cerveja. Mas isso não me impede de ter curiosidade e vontade de sentir o gosto de bebidas alcoólicas, sejam elas fortes ou não. Mais alguns anos que passarão rápido e estarei eu e minha maioridade. Mas mantenho em mente o objetivo de namorar, pois sei que na adolescência isso não irá acontecer. Prefiro muito mais estar sozinho do que estar namorando com uma menina. Claro que eu não nutro a certeza de que “eu não irei namorar na adolescência.” Pode acontecer. Só que um dos principais obstáculos para um namoro, seja agora, seja em breve, é a família. Sou assumido parcialmente, mas como você e seu pai, sim, o meu pai ainda não sabe. Também estou ouvindo com mais frequência as pessoas perguntando se eu tenho namorada, falando coisas relacionadas à isso. Quando eu ouvia a palavra namorada, me batia uma depressão no peito. Agora aprendi a lidar melhor com isso. Para as pessoas em geral, não escondo a minha luta em defesa dos GLBT. Eu sempre os defendo, principalmente quando apresentam preconceito. Acho que a família é a primeira a fechar os olhos enquanto os outros desconfiam. Não ligo em ser maduro. Quero amadurecer cada vez mais, mas é claro que respeitando os limites do tempo, pois tudo tem o seu tempo. Agora, o meu maior desafio é alimentar a ideia de um namoro assumidamente para a família. Cada dia penso em arranjar um namorado e me assumir. Com o tempo, vou superando e aprendendo a lidar melhor com isso. Como gay, nunca fujo à luta. Como brasileiro também. Vou lutar até o fim, superando as barreiras do preconceito e dos estereótipos sem perder a alegria, sem deixar que a infelicidade me abata. Não vou desistir. E também não pretendo me fazer de coitado. O fato de eu ser gay não concede à mim o direito de me fazer de coitado. Há héteros sofrendo muito mais que eu e não atribuo sexualidade à sofrimento. Também espero que o casamento gay chegue ao Brasil. Já tem tanta coisa a favor dos gays nesse país! É mais um ponto a favor. Sonho com um Brasil mais justo, mais educado e livre de estereótipos. Não devemos nunca generalizar. Há sempre exceção. Sou feliz e vou ser ainda mais feliz com experiências novas! Enfrentarei desafios, mas vencerei todos. Quando eu estiver casado, se eu estiver casado (sim, pretendo casar, mas não pretendo me precipitar. Quero passar um bom tempo namorando. Jovens tendem a querer que tudo aconteça rápido, mas acho que já entendi que o tempo é o senhor dos acontecimentos. É o senhor dos destinos), ficarei feliz em ver que posso levar meu marido para um encontro com a família sem problemas. O que me espera eu não sei, mas vou tentar levar as coisas com positividade e tentar ao máximo não fazer tempestade em copo d’água e não ter medo de nada. Coragem e maturidade são coisas muito necessárias quando se é gay.

    Sinto muito pelo comentário muito extenso. Pretendo continuar acompanhando o blog e vivendo a vida com muita alegria e tranquilidade. Sempre a favor da diversidade e do amor ao próximo.

    1. minhavidagay disse:

      Muito bem, Darkbringer.
      Seu depoimento é bastante importante e é uma referência para todos nós.
      Espero que na prática você consiga realizar tudo ou quase tudo que tem em vista, dando crédito para seu tempo e para seu momento para cada coisa.

      Pode continuar a escrever, textos longos ou textos curtos. Seja benvindo ao Blog MVG que serve para essa interação.

      Abraço!

    2. pablo disse:

      Ei li seu texto e me identifiquei com vc ,to afim de te conhecer so que o ruim e que eu sou gay nao assumido,tenho 16 anos.BEIJOS,E AH MEU NOME E PABLO.

  2. Robert disse:

    “Disfarces da bissexualidade”? Então, pra vocês, o bissexual não existe, ele é apenas um gay mal-resolvido?

Deixe uma resposta