Por que gays costumam trabalhar com design, moda, artes e comunicação?


Na realidade essa dúvida leva para um resposta preconceituosa e incompleta. Não é somente nessas áreas, de humanas, que os gays atuam.

A diferença, no meu ponto de vista, é que essas áreas favorecem ao gay um ambiente mais descontraído, menos reprimido, mais autêntico e de pessoas que atuam na área que entendem da sensibilidade humana desprovida de sexualidade, ou até valorizam os gays pelo “personagem profissional” que no todo fica “legal”.

Essa é uma grande realidade: sensibilidade não tem a ver com macho ou fêmea, homem ou mulher. Sensibilidade é uma manifestação humana e está além. Assim, os gays que costumam atuar nas áreas de design, moda, criação, artes, arquitetura e comunicação têm mais abertura para se manifestar na totalidade. Logo, costumam assumir com uma certa tranquilidade a sexualidade.

Assim, subentende-se que em outras áreas, como direito, engenharia e medicina, o preconceito do homem macho e da mulher fêmea se intensificam. Os homens tendem a ser mais agressivos (ou não), racionais e, no contexto das aparências e imagem que as profissões exigem, a homossexualidade cabe menos ou não cabe.

Mas, de fato, tudo isso é fruto da nossa cabeça. Valorizar um artista por ser gay é um erro e subtrair o talento profissional de um gay advogado também. Não deveria ser nem mais nem menos. Ser gay não deveria ser diferencial nenhum no campo das artes ou da moda. E ser gay, no campo das profissões clássicas, não deveria ser problema.

Sempre vai existir um primeiro “Pagu” nas áreas mais “duras” que vai querer mexer um pouco nos movimentos tradicionais, das profissiões mais clássicas e vai tentar lutar ou mostrar que dá para ser advogado ou engenheiro e gostar do mesmo sexo.

E nesse contexto todo, eu nem sei em qual medida um jovem gay não acaba escolhendo a profissão pelo fato de poder ter mais liberdade para a manifestação de sua sexualidade. Poderia ser um ótimo engenheiro ou médico, mas resolve ser arquiteto porque a liberdade de manifestação que está intrínseca na profissão acaba o impulsinando. Por um lado o jovem consegue dar uns passos para sua “libertação”, por outro alimentamos o preconceito achando que só dá para ser gay se seguir por uma dessas profissões mais “soltas”.

No final, ainda hoje convivemos com barreiras desse tipo que acabam influenciando escolhas pela vida toda ou por muito mais tempo. Destrinchei brevemente apenas um aspecto, o da escolha profissional. Nas nuances da vida, imaginem o quanto a gente não desvia e pega atalhos pelo fato de carregarmos essa “bomba da realidade” da nossa sexualidade influenciando fortemente os percursos? Freud explicaria tudo, mas sou um mero flósofo de botequim e tenho apenas umas linhas de post.

As influências são diversas e recaem sobre o gay de maneiras diferentes.

Entrei na faculdade para fazer propaganda e marketing. Ser criativo (e ser gay) tinha uma certa liga. Ser marketeiro e ser gay não combinava muito. Não combinava muito para as referências de um jovem de 19 anos que sabia ainda muito pouco. E por coincidência segui atuando como designer durante anos da minha vida, até nos últimos 4 anos me estabelecer como empresário, administrador e marketeiro, feliz, resolvido e gay. Atuações que não tem um cheiro nenhum de homossexualidade mas que, enquanto jovem e perdido, precisava de um link, inconsciente que fosse, para encontrar um meio para as minhas manifestações internas.

De qualquer forma, mais um conceito para heterossexuais (e gays) anotarem: designer pode ser gay. Mas o seu colega de escritório de engenharia também! Ou até mesmo você, safadinho, que tem o perfil profissional como mais uma maneira de se enrustir e deixa para os gays da moda o trabalho de massificar a imagem social do gay que obviamente é par-ci-al!

12 comentários Adicione o seu

  1. Lucas disse:

    Eu trabalho na área de computação, como programador. É uma área tomada quase que na sua maioria, por homens héteros. Conheço poucas mulheres programadoras, e juro que ainda não encontrei mais nenhum gay além de mim! Hehehehe
    O ambiente de trabalho é sério, sem muitas “liberdades” ou espaço para “liberar a criatividade”, mas eu adoro o que faço! O que me incomoda, às vezes, é não ter ninguém pra conversar no trabalho, sobre assuntos do mundo gay, porque por mais que meus colegas aceitem tudo de boa, eles não são gays, né?! E não é a mesma coisa.. :/
    Enfim… Nada a ver a história de que todo gay precisa ser decorador. Pode ser decorador, sim! Mas pode ser o que quiser. Sem precisar limitar seu trabalho, apenas pela sua sexualidade.

    1. minhavidagay disse:

      Isso aí, Lucas! Esse post foi uma provocação de como a gente tem uma ideia deturpadada do gay. Ou melhor, de como a sociedade faz associações limitadas e parciais do que é realmente ser gay. Tem gay em todas as profissões. Mas parece que o único gay que faz sentido na cabeça da sociedade (que inclui alguns gays também) são aqueles que expõe a sexualidade. E isso é uma bobagem, uma limitação social.

      O post situa a conversa por aí.

      Valeu pelo seu relato, Sr. Programador de Sistemas Cavernosos e Gay! :)

    2. Roger disse:

      Você nao está sozinho Lucas! Eu tambem sou programador e meu namorado engenheiro.

  2. Darkbringer disse:

    Acho meio complicado estarmos em pleno século XXI ano de 2012 discutindo sobre o preconceito e a repressão contra os gays nas áreas relacionadas ao trabalho. A evolução nesse sentido está lenta ou quase inexistente (e não me refiro só ao preconceito no trabalho, me refiro ao preconceito em todos os sentidos. Incluindo não só a sexualidade, mas também a cor. É um absurdo um professor da faculdade dizer para uma mulher que trabalha no cinema que ela devia estar na África cuidando de orangotango). Já passou da hora de parar de bater na mesma tecla e abrir uma nova janela, mudar aquilo que se vê e mudar o pensamento.
    Uma coisa que instigou a minha curiosidade é o fato de, no passado, existirem incríveis homens que revolucionaram as áreas da matemática, da ciência e muitas outras, enquanto hoje não se vê gênios da matemática como antigamente. Na verdade, tenho quase certeza de que estou tendo uma visão limitada e equivocada, mas tem que existir um motivo para isso.

    Para finalizar, acho incrível a maneira como as pessoas generalizam. Pô, vamos nos tocar né? Não estamos mais na Idade das Cavernas! Homem não sai arrastando a mulher pelo cabelo mais não!

    1. Allaster D Teixeira disse:

      Na verdade tem vários, mas pouco se fala sobre isso. Historiadores sempre vão endeusar os grandes mestre e é preciso der morrido a uns trinta anos pra ser reconhecido, mas quem está nessas áreas ou tem interesse acha vários gênios. Como o pessoal do vale do silicio, Zhang Yue, Howard Gardner e outros psicologos, Siddhartha Mukherjee, Salmhan Kan (do Khan academy),Neil deGrasse Tyson, tem também um pessoal (em especial uma mulher) que estudam a matéria escura mas não vou saber nomes e esses são só alguns pra você pesquisar e ver pessoas que estão mudando o mundo…. eu poderia colocar muitos outros nomes na lista…. A verdade é que as ciencias estão mais concorridas do que nunca, é mais dificil se destacar e muitos dos projetos são de implementação, oque não tira seu brilho mas não faz com que os profissionais apareçam tanto na grande mídia. Alias a mídia anda mais interessada em tragédias e na politica internacional e nacional que mudam o tempo todo enquanto a ciência costuma demorar mais (mesmo estando mais rápida que nunca)XD

      1. Allaster D Teixeira disse:

        Fugi bastante do assunto XD mas é que a gente tem que sair da bolha e ver que o mundo tá mudando

  3. Jean disse:

    Esse assunto é algo muito corriqueiro em minhas reflexões. Concordo que não existe profissão específicamente para gays, mas sempre achei que esse lado criativo sempre foi muito mais marcante em nós! Seja por auto-afirmação ou seja lá o que for.
    A opinião de uma amiga minha é a de que tudo isso acontece porque queira ou não queira, carregamos o estigma de pessoas inferiorizadas e estas profissões possibilitam mostrar pessoas que são talentosas e extraordinárias, uma maneira de ser respeitado e admirado pelos outros.

    Aproveito para dizer que adorei o conteúdo do seu blog. É meio difícil conseguir encontrar pessoas que abordam o assunto ‘homossexualidade’ sem fazer conotações sexuais exageradas ou como você disse, vivem um ‘quadradinho GLS’.
    Já cheguei a ouvir histórias meio incomuns, tais como “gay que prefere relação sexual com mulheres”, “gay que, dependendo do tipo de bebida alcoolica, continua gay ou decide virar hétero” ou o próprio modismo das gerações modernas.
    Pra finalizar: concordei muitos com suas opiniões expostas no blog, pois acredito que ser gay, não é ser diferente e que podemos sim levar uma vida normal!!!
    Um leitor à mais! :)

    1. minhavidagay disse:

      Obaaa! Valeu Jean!
      Obrigado por dar identidade para o MVG. Sem usuários / leitores tudo que coloco aqui não faria sentido! ;)

  4. Lucas disse:

    No meu caso, sempre tive muita vontade de fazer alguma coisa mais ligada a decoração/arquitetura, mas como isso colocaria o meu lado hétero em risco, acabei entrando para a engenharia.
    Atualmente, estou no 5º período e estou gostando de fazer engenharia, apesar de saber que talvez eu não esteja no lugar certo, até porque somente alguns poucos amigos sabem que sou gay, e nunca contei isso para ninguém da faculdade. Ou seja, tenho que ficar escondendo o tempo todo, porque até quando saio para alguma boate, fico com medo de encontrar alguém conhecido.
    Acho que nunca vou descobrir se eu errei com essa escolha ou não, mas pelo por enquanto, parece que eu fiz o melhor, ou pelo menos o mais fácil!

    1. minhavidagay disse:

      Oi Lucas!
      O melhor, ou mais fácil, o importante é que você tem uma consciência e está seguindo seu rumo!

      Não sei se você será um engenheiro frustrado ou um arquiteto/decorador como hobbie. Terá seu tempo para se aceitar que pode ser em um ano ou daqui a 20 anos.

      O tempo que você guarda esse segredo é você quem escolhe. Só cuidado para não ser um mau profissional! :P

      Abraço!

  5. Allaster D Teixeira disse:

    Primeiramente, seu texto é, até agora, o mais bem escrito e desenvolvido que encontrei sobre o assunto, parabéns. E lindo design do site. Vou ler tudo oque encontrar!
    Eu me encontro entre duas profisões bem “fora do meio”, me entristece der demorado pra tomar uma atitude por conta da transição de gênero mas a vida segue. Tem algum texto no seu site sobre o assunto? Sei que não é seu foco e nem chega a ser uma cobransa mas vai que né… Pretendo seguir escrevendo e talvez voltar pro teatro porque gosto e quero der opção pra quando o preconceito bater a porta e vou começar curso técnico em automação…. Sei por experiência o quanto o chão de fábrica é hostil em realação a….tudo na verdade, tudo vira “viadagem”…. Minha esperança é passar o suficiente mas a questão do emprego é foda.
    Em relação a homossexuais e bissexuais seu conselho é extremamente válido mas não sei se poderia segui-lo também. :/

    1. minhavidagay disse:

      Oi Allister, tudo bem?
      Se você procurar por tranagênero ou transexual na busca, no rodapé do site, você encontrará diversos textos que cito estes temas :)

      Bem-vindo! =D

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s