Bate papo entre um gay e uma lésbica

Minha amiga “Fer” é lésbica, tem seus 30 e poucos anos e assim como eu, é da geração X e tem conteúdo para compartilhar.

Numa iniciativa entre os dois universos gays, definimos por iniciar um novo Blog com temas e assuntos gay e lésbico, do olhar masculino e do olhar feminino, compartilhando um mesmo espaço e colaborando para romper com esse outro preconceito que existe entre homens gays e mulheres lésbicas, ou simplesmente entre homens e mulheres.

O “Que Gay Sou Eu” tem a mesma base de iniciativa do MVG, numa tentativa de nem ser nem 8 nem 80, nem ser um blog de esteriótipos excessivos, sexo, humor escrachado e multicores, nem ser um site excessivamente moralista, dos direitos ou da bandeira erguida com toda força.

No Que Gay Sou Eu, Eu e Ela dividiremos opiniões sobre temas mais universais ou mais particulares que acima de tudo coloque o ser humano sob as questões de gênero ou sexualidade.

Assim como o MVG, o blog QGSE é para valorizar a diversidade transcendendo em pensamentos as questões mais comuns que cercam gays e lésbicas, suas condições e o relacionamento com a sociedade.

Blog novo, recém nascido em 1 de junho de 2012 e que vem recheado de conteúdos que podem ser prazerosos para leitura, as vezes chocantes, outras vezes contraditórios, divertidos ou polêmicos. Para entreter, tentar ousar e gerar novas questões.

Vamos falar de sexualidade sem apelação sexual, vamos falar da diversidade sem idealismos radicais, vamos abrir um espaço para que o gay entenda mais a lésbica e a lésbica entenda mais o gay, para que o homem entenda mais a mulher e a mulher entenda mais o homem pois, de fato, somos homens e mulheres cheios de tabus, dúvidas e receios, cheio de referências limitantes da sociedade, modelos e paradigmas que são base há milênios.

Queremos ser iguais, não é mesmo? O que uma mulher tem para ensinar para um homem gay? Acredito que muita coisa. Bem ou mal o homem gay carrega a carga de uma educação e uma sociedade heterossexual, as coisas estão mudando e nem sempre os pilares masculinos que homens heterossexuais e gays carregam são os mais resolvidos. Se fosse efetivamente bem resolvido, o gay não sofreria tanto, nem teria tanta dificuldade em compor um par.

A verdade é que a gente aprende mais com as diferenças quaisquer que elas sejam.

O MVG continua e agora se complementa com o Que Gay Sou Eu.

Pessoalmente acredito e muito que homens heterossexuais e gays precisam dar mais vasão para o lado feminino, tantas vezes evitado e reprimido. Falaremos de intimidades, falaremos de verdades pessoais e abriremos espaço para que todos, homens e mulheres, gays, lésbicas, transgêneros, transexuais e bissexuais, pais, filhos e amigos possam entender um pouco mais da humanidade que existe em todos nós, para além dos esteriótipos, para além de nossa sexualidade ou gênero.

O resgate é básico: humanidade.

Fer será “Ela”, MVG será “Ele” e vez ou outra Ela será ele e Ele será ela porque, masculinidade e feminilidade devem fluir sem repressão. Isso me soa um tanto justo. Se sou gay porque vou ter medo de desenvolver meu sentido feminino?

www.quegaysoueu.com.br

Deixe uma resposta