Gays e a exposição do sexo

“Googando” para criar um novo post nesse final de domingo, enquanto meu namorado está adiantando um freela aqui do meu lado, encontrei essa reportagem no G1 que fala de dois gays que foram pegos em um banheiro público transando, no mês passado, no Rio de Janeiro.

Esses fatos estimulam o meu moralismo que diz assim: “É foda. A gente tenta batalhar para trazer a naturalidade da nossa realidade gay à sociedade, tenta trazer referências positivas aqui no blog e tem gay que consegue atirar merda no ventilador”.

Obviamente esse ato de promiscuidade, tão associada ao gay para o leigo, tem muito mais a ver com falta de educação, noção de respeito e limites, do que a sexualidade em si. Mas convenhamos que o brasileiro que não tem contato com o nosso universo define o gay dessa maneira: “tinha que ser viado. Odeio viado”.

Essa notícia me lembrou de um caso, que já foi narrado por aqui, da situação que eu mesmo me deparei no banheiro masculino da Fnac da Paulista: dois engravatados na hora da almoço trocam e despejam fluidos no mesmo box de banheiro e saem as pressas. Vi, presenciei e pensei enquanto lavava as mãos: “é por isso que é tão difícil trazer a realidade gay para a sociedade. O povo pira”.

Não é mais excitante transar no banheiro de uma sauna gay onde outros poderiam até participar?

É óbvio que para o gay e para o heterossexual, sexo no banheiro faz parte da fantasia sexual, e tenho certeza que esse post vai trazer usuários para esse texto justamente pela busca “sexo gay no banheiro” no Google. Não tem problema curtir um banheirão. Mas a falta de noção traz problemas.

Educação, meus queridos leitores. Isso tem a ver com noção de respeito a limites e noção de comportamento em espaços públicos. Educação é que falta para muito dos brasileiros e incluo homens, mulheres, gays e afins. Que é TOTALMENTE diferente do Laerte Coutinho querer fazer xixi no banheiro feminino de um restaurante. Cadê o bom senso, gente?

Se quer fazer sexo excitante em lugares públicos, faça direito, não é verdade? Deixe a fantasia rolar, mas não deixe ninguém descobrir. Já transei em elevador, na escada de emergência de prédio, dentro do carro e até na cama da sogra quando ela já estava para voltar. Nunca deu merda porque, por mais que seja excitante o sexo em lugares públicos e por mais que isso faça parte das nossas fantasias, a gente precisa saber fazer. Saber fazer tem até a ver com inteligência e esperteza, oras bolas!

Recadinho básico para gays e heterossexuais, mas no caso, dica importante principalmente para os gays pois, temos uma responsabilidade em trazer nossa existência para a sociedade de maneira mais natural. É não é fácil. Depois esse mesmo “viado” que transou no banheiro vai falar de direitos? Com qual moral?

Na hora do tesão, independentemente de classe social, parece que alguns perdem o controle.

Descontrolado. Que adjetivo “elegante” para o torcedor fanático do Conrinthians no dia de jogo, do bêbado da balada na Vila Olímpia que fica folgado e do gay que é pego no banheiro numa foda. Não tem diferença nenhuma.

Esse tipo de post me dá até bode. Mas não posso deixar de comentar (rs). Maneira ignorante de se expor à sociedade!

6 comentários Adicione o seu

  1. Peter disse:

    Eu também não me conformo com esse tipo de atitude… nem sei bem se pode ser considerado um fetiche, pra mim soa mais como uma limitação. Teoricamente é mais fácil, rápido e com baixa exposição, com alta porcentagem de sucesso. O problema é justamente esse que você citou, as pessoas perdem noção do “perigo”, e se deixar, acabam fazendo sexo até no meio da Av. Paulista, no horário do almoço… E aí, lá vem a chuva de críticas sobre nossa orientação, como se todos agissem assim…

    Agora, essas suas aventuras no elevador e na escada, também foram bem perigosas, hein? Era prédio abandonado? Hahahaha!

    Abraços!

    1. minhavidagay disse:

      Ahahahaha… tudo ocupado com velhinhas, famílias e casais. Mas era de madrugada e, no caso do elevador, a câmera estava quebrada! rs

      Sei bem o que é a fantasia do sexo em lugares não óbvios. Por isso digo que essa bicharada tem que ser mais esperta! rs

  2. Outro dia estava conversando com um vigia e ele disse que várias vezes já pegou garotas praticando sexo oral em seus “ficantes” na escada de emergência do shopping onde trabalha. Daí eu fiz questão de perguntar se os gays também costumam ser flagrados e ele disse que ainda não tinha visto nenhum casal gay transando na escada. É bom demais saber de estatísticas raras como esta, né?! rs.

    1. minhavidagay disse:

      Rs… imagina que os heterossexuais não aprontam dessas também? Todos os dias, a toda hora deve ter pelo menos uns 100 pares aprontando por aí no mundo! rs. Mas pow, façam sem dar brecha! rs

  3. Julio disse:

    O que você acha do tabu sobre fazer ou não sexo de primeira? Crê que essa prática faz perder o encanto? Acha impossível surgir amor de onde primeiramente veio o contato carnal?

    1. minhavidagay disse:

      Oi!

      Acho que, nos tempos de hoje, é importante preservar momentos românticos, mas não vejo problema algum do sexo vir antes do envolvimento afetivo. Talvez o envolvimento chegando antes do sexo, no passado, fizesse sentido. Hoje procuramos por experiências, por pessoas experientes e vivências. Sexo também faz parte disso com ou ser amor ou afetividade.

      Veja se te respondi!

      Abs,
      MVG

Deixe uma resposta