Gays na maior idade. É motivo de desespero?

O post anterior me chamou atenção por um tema ainda pouco refletido no Blog Minha Vida Gay: a velhice é realmente um problema para os gays?

Diz a lenda que o gay tem pavor da velhice e antes mesmo dos 50 anos aperta um botão para virar purpurina. Claro que purpurina aqui é um trocadilho, nessa história de que gay não morre, transcende!

A velhice é uma questão. Mas será que esse medo vem somente para gays ou a sociedade no geral, nessa tentativa de uma vida saudável ou “eterna”, gostaria de nunca envelhecer? A mim, diante programas, produtos e técnicas é tão óbvio que a velhice é uma questão e uma preocupação da humanidade. Mas será que para o gay essa percepção se intensifica?

Quando eu tinha 18 anos morria de medo de quebrar a barreira dos 20. Quando cheguei aos 20 e poucos anos, ter 30 anos era definitivamente ser velho. Agora que estou partindo para os 36 anos me parece muito, mas muito mais bem-vindo meus 40 anos, quando outrora foi chegar nos 20 ou nos 30.

Curiosamente, noto meus funcionários de 18 anos nesse mesmo fluxo, temendo entrar na casa dos 20. “É melhor nem pensar a respeito” – diria um dos rapazes. Meus sócios, um com 28 e outra com 26 se dizem velhos pois estão mais para os 30 do que para os 20. Detalhe: todos são, a priori, heterossexuais.

Já parou para pensar sobre os temores e desconfortos da maior idade, gay e enrugado (ou esticado)? Gente jovem, quando pensa, normalmente teme. Aliás, estou para ver um jovem de 18 que não tema entrar nos 20, ou um de 20 e poucos que eu não pegue “lamentando” por estar chegando nos 30. E de 18 para os 30 então? É a pura manifestação da eternidade!

Será que os gays depois dos 40 viram realmente purpurina? Purpurina é até um nome criativo para designar mudanças que acontecem com a gente e, mesmo não sendo um antropólogo, médico ou psicólogo, acho que é uma tendência natural a gente lidar com mais tranquilidade com o processo de envelhecimento. Alguns se esticam, outros tomam bomba e mais alguns, como meu pai que tem 71 anos, se inibem em usar aparelho de audição porque estão ficando surdos! Alguns estudiosos diriam que essa coisa de surdez é quando a pessoa está fechando os ouvidos para o mundo. Só vou saber quando chegar lá…

Não sei, ou melhor, me sinto bem pelo fato de estar acontecendo comigo assim: quando eu era adolescente realmente temia a velhice. Agora que estou prestes a virar a curva dos 36 anos, chegar nos 40 me soa bossa nova. Explicação simples: depois de 35 anos vividos me sinto tão melhor do que ontem e me parece que essa vibração seguirá nesse ritmo daqui em diante. Até os 33 anos eu mantinha ainda resquícios de uma mocidade: precisava demasiadamente me auto afirmar, tinha comportamentos infantis, passava por surtos de irritação quando alguma coisa não saia do jeito que queria, o sentimento de ansiedade era forte suficiente para me tirar o sono, cobiçava demasiadamente a beleza do outro, criava atritos com amigos e depois me arrependia, discutia com meu pai todas as semanas, me sentia inseguro a ponto de ir e voltar com algumas decisões para a vida, e nesse tipo de “masturbação”, de vai e vem, me faltava objetividade!

Claro que a sociedade sempre esteve voltada para a imagem do novo, do jovem, do vigor da juventude e da cutis lisa e bem torneada. O Ayrton Senna, o John Lennon e a Janis Joplin eternizaram suas imagens porque morreram precipitadamente no “auge” e esse auge está diretamente relacionado a ser jovem. Mas dentro dessa embalagem a enorme maioria vive de vai e vem, de inquietações, de dúvidas, questões e inseguranças. E afirmo: cedo ou tarde, tudo isso cansa, ou melhor, tudo isso passa a perder o sentido.

Maturidade ou maior idade diz respeito a novos sentidos para a vida.

No post anterior, um dos leitores levantou uma questão trágica, quase que bombástica e inevitável: “Onde estão os gays velhos de hj, que eram os jovens nos anos 70 80 e 90?”, num tipo de acusação de que ser gay é coisa de moda e mais tarde todos os gays resolvem voltar atrás e amarrar o burro com uma mulher.

Beeshas, machões, wake up! Gays não viram purpurina! Gays não se “desgayseficam”!

Vejam aqui alguns exemplos dos “nossos bons velhinhos gays”:

– Sabe o Ian McKellen, o Gandalf do Senhor dos Anéis? Pois bem, é casado, gay, viveu a juventude entre as décadas de 60 e 70 e está em pleno vigor profissional;

– O George Takei, ator do clássico e original “Jornada nas Estrelas” casou-se faz um ou dois anos, pasmem, com um homem! =P;

– O meu queridíssimo Elton John que toca em SP em fevereiro com o Show “40th Anniversary of the Rocket Man” está com mais de 60 anos, firme em suas turnês mundiais. Quando esteve aqui em 1995, com cinquenta e poucos anos, fez um show com 3h30! Madonna? Heterossexual? Essa sim, além de entrar no palco com 3h de atraso, canta playback a vida toda num mísero show de 1h30! (rs);

– O amigo do Elton, o George Michael, não faz muito tempo fez umas putarias no banheiro público e levou uma bronca da sociedade;

– Tem o Ney Matogrosso, gay assumido, com mais de 60 anos e, quem vai a seus shows, fala de um condicionamento físico invejável;

– Fora essas figuras carimbadas, que talvez nem todos tenham conhecimento ou acesso por, sim, serem os tais jovens gays de décadas passadas, um amigo namora há mais de 4 anos com um sessentão, médico e de bem com a vida, e tios de um amigo e uma amiga compõem esse cenário de gays acima dos 50 anos. Até onde eu sei, o negócio deles sempre foi e será homens!

Por que parece que esses gays, mais velhos, desaparecem? A resposta me parece simples, mas talvez não nos colocamos para pensar a respeito: depois de uma certa idade, que varia bastante de indivíduo para indivíduo, o gay não precisa contar mais para o mundo que é gay! Não precisa se auto afirmar e viver experiências na comunidade, não precisa vestir roupas justas e ostentar os músculos na balada (embora alguns exemplares mais velhos não saiam do “modelão”, mas não é diferente do tiozão da balada hétero), e porque muitos aprendem, definitivamente, que ser gay é só um detalhe. Viver a comunidade não é uma condição definitiva para quem é gay. Posso estar com meu namorado num hotel fazenda no interior de São Paulo, numa lanchonete do meu bairro ou em férias em Nova Iorque. Posso estar num churrasco de aniversário no final de semana ou num almoço em família na casa dos meus pais. Quanto mais adultos, aprendemos mais também sobre o poder da mobilidade.

Mas enquanto jovens e gays uma grande maioria que tenha acesso, vai querer viver o meio gay, os hábitos e costumes. Pura necessidade de reconhecimento, necessidade de respirar juventude, de experiências, sexo, de ver e ser visto. Por pouco tempo ou por longos anos, respirar o “gueto” não diz respeito apenas a identificação, identidade ou autonomia. Diz respeito a uma tentativa de preservar-se jovem, e isso se aplica perfeitamente em todos os meios, gays ou heterossexuais. Mas é só uma tentativa por que não tem como brigar com o tempo.

Bem ou mal as coisas mudam e envelhecemos. Alguns sofrem mais, outros menos, alguns jovens e outros já adultos projetam-se em desespero quando velhos, sentindo aquele vazio e o sentimento de que o tempo passou. Mas, de fato, viver cada momento com respeito e conformidade é o que pode lançar um pouco de purpurina, gloss ou brilho por toda a vida. Uma das poucas influências que não há como ir contra chama-se tempo.

Onde estão muitos dos gays de foram jovens em décadas passadas?

6 comentários Adicione o seu

  1. Igor Ferreira disse:

    Eu, com meus 21 anos, posso afirmar que não tive “medo” algum de entrar na casa dos 20; e tenho menos medo ainda de entrar na casa dos 30!! Para falar a verdade, acho que as pessoas (sejam elas gays ou héteros) ficam MUITO melhores quando chegam aos 40 anos;tanto física (acho super charmoso e não vejo a hora de ficar assim), quanto psicologicamente; talvez seja porque à medida que amadurecemos, vamos adquirindo mais conhecimento das coisas, das pessoas e, mais importante, de nós mesmos, e acabamos assumindo uma postura mais firme sobre quem realmente somos, e, vamos combinar, não existe nada mais atraente e fascinante que auto confiança, não é verdade? Vejo bastante disso nos meus pais, que com o tempo ficam cada vez melhores :)

    Ah! Conheço alguns gays maduros, sim! Muitos são grandes amigos de meus pais e outros apenas conheço… MAS CONHEÇO ALGUNS! E isso já serve para acrescentar nos seus exemplos e aumentar a “cota” de gays maduros na sociedade ;)

    PS1: Pode ficar parecendo que eu gosto dos mais maduros, mas não é isso! Gosto de pessoas, não importa cor, sexo, classe social, idade etc. Mas que acho os “coroas” super charmosos, acho!

    PS2: Falar mal da Madonna foi sacanagem!! Fui nos shows dela no Brasil e posso garantir: mesmo com seus 54 anos e, teoricamente, heterossexualidade (ela não gosta de “rótulos”), ela ainda tá MUITO bem! Tanto fisicamente (corpão maravilhoso e fôlego incrível!), quanto “pessoalmente”, a idade só fez ela melhorar! E não é 1h de show, são 1h50m! E Elton faz 3h30m porque não dança como ela…

  2. Carlos Rodrigues disse:

    Sabia que toda aquela conversa do post anterior daria em mais um novo post para o MVG.

    Opinando:
    – Só acredito que a maioria dos jovens (incluindo eu com apenas meus 16 anos) tem medo de envelhecer, por que a sociedade impõe que a melhor fase da vida, é a fase jovem, e que depois disso, sua vida não tem mais “tanto sentido”.
    Eu admito que gostaria de parar o meu envelhecimento, aos 25 anos, ou quem sabe (mais tardiamente) aos 30.
    Eu sempre me pergunto: Por que é tão bom ser jovem? E por que não é bom envelhecer? … Admito que meus temores de ser velho, é olhar o passado e ver coisas que nunca mais voltarão, coisas que aconteceram e coisas que eu fiz ou poderia fazer. Pra não ocorrer o perigo do desapontamento, eu pretendo fazer tudo que eu acho que devo fazer!
    Pra mim, o problema não é envelhecer, é lembrar do passado, e lembranças são coisas que doem.
    Mas espera! Esse meu último comentário só fez reforçar o que a sociedade impõe!

    Quem disse que envelhecer significa o fim da vida?
    – Não estou dizendo que serei o vovô que quer ser jovem (até por que acho isso um pouco de muita imaturidade, querer ser uma coisa que você deixou de ser. Lembrando que a mídia vangloria idosos que tem atitudes de jovens… Isso só reforça a imagem de que jovem é a melhor fase da vida), pretendo ser o vovô que quer terminar de realizar todas as experiências que ainda vou poder experimentar! Só por que deixei de ser jovem, não quer dizer que eu vá parar de experimentar! O mundo é cheio de novidades! A cada dia que passa, coisas novas são descobertas, criadas e realizadas!

    O que eu vejo pra minha velhice é:
    -Estar ao lado de alguém que eu goste!
    – Ter filhos que tenham netinhos (não sei como vou realizar este feito! xD)!
    – Viajar bastante
    – etc…

    São tantas possibilidades que vejo pra minha velhice que nem consigo listar todas…. Mas citei as principais!

    Mas é como eu disse: “Só não quero olhar para o passado e sentir o arrependimento de não ter feito algo que eu queria!”
    Mias um comentário grande né? xD!!

  3. Caio disse:

    Bom de uma forma geral vejo que a maioria tem medo de ficar velho. Mas vou opinar com relação aos gays. Acho que para muitos apenas em falar a idade, já assusta, pois mesmo que o cara seja lindo depois dos 40, nem sempre é bem vindo em certos grupinhos que só valorizam os jovenzinhos.

    Eu posso dizer que existem homens maduros que são muito mais interessantes que vários garotos por aí, inclusive já fiquei com um quarentão muito do gostoso e acho que idade reflete apenas números em relação ao tempo que estamos aqui em vida. Você pode muito bem estar com uma idade chamada de avançada e ter uma mentalidade juvenil, isso sem querer dizer que seja imaturidade ou síndrome de Peter Pan.

    Vejo que é possível sim envelhecer com qualidade e é isso o que quero para mim, por isso me cuido desde cedo com exercícios, alimentação, lazer (por hora nem tanto, mas vai melhorar rs). Qual o problema em ser “velho” e conservado com aparência jovem, não se trata apenas de querer sempre se manter na casa dos 20, mas ter saúde e não ficar ranzinza e mente fechada, que é o que acontece com a maioria.

    Também acho que muitos gays idosos estão sós porque não se permitem de certa forma vivenciarem uma relação bacana, por que vem do tempo que isso era totalmente clandestino e ainda não acordaram para um mundo menos hostil a homossexualidade, aliado ao fato que já citei, quiseram exagerar na juventude e agora colhem os frutos de uma má qualidade de vida, assim pelas suas aparências não muito atraentes como querem conquistar outros? (afinal muitos querem ou exigem dos outros aquilo que não podem oferecer em troca, nem o mínimo sequer). Muitos que eram jovens nas décadas de 60, 70 e 80 extravasavam como bem cita o livro “Trem Fantasma” e aí esta uma parte da explicação das consequências.

    Com meu modelo de vida espero poder curtir legal todas as minhas idades que virão, viver muito, pelo menos 100 anos, mais a frente encontrar um companheiro e seguir o rumo. Chegar aos 70 e ainda arrazar na pista kkkkk Enfim não quero seguir essa vida de detonar tudo enquanto jovem, me drogando, balada todo fds, vida bandida e depois estar acabado.

    Homens interessantes existem em qualquer idade, porque não é para a idade que devemos olhar mas para quem esse homem é.

    Abraços.

  4. Vânia disse:

    primeira vez aqui no blog.. to adorando de todos os temas abordados ..

  5. fernando disse:

    os gays antigos somem prq o publico acostuma-se com eles,ou seja,o preconceito pode tmbm ser considerado uma modinha besta!

  6. Triste disse:

    Vc ficou sabendo que o Erick Rhodes (julho/2012), Arpad Miklos e Karim (ambos nesta semana) se suicidaram? São atores pornô gay. O Erick e Arpad são do olimpo dos atores. São os dois da extrema direita.
    Você poderia fazer um post sobre isso relacionando a isso:

    “Se o fenômeno do suicídio entre os jovens LGBT é bem documentado, os problemas dos idosos entre o povo LGBT permanecem largamente subestimados, especialmente em um momento onde a notícia gay concentra-se principalmente em questões de saudável, como o casamento para todas as pessoas. E tão estável como atores de Arpad Miklos se dão a morte, este devolve-nas questões essenciais relativos à velhice, solidão, em um mundo onde até mesmo o desempenho já não é suficiente.”

    Se não existir um esforço para assegurar a velhice dos LGBTT, até os de elite, como esses atores vão se dar mal. Que dirá os do subúrbio e reles mortais. Preocupante. Fica como briefing.

    http://www.paramocinhos.com.br/2013/02/morre-mais-um-ator-porno-karim-e.html

    http://www.paramocinhos.com.br/2013/02/ator-porno-arpad-miklos-comete-suicidio.html

    Revista Atitude 2010 com astros do porno
    http://2.bp.blogspot.com/_A4lqSFwzGEQ/TOLUdoqX_5I/AAAAAAAABZI/Bh7f-kdgiJg/s1600/attitude-homotography-2.jpg

    O Arpad era meu ídolo.
    É o homem que mais já me masturbei na vida.

    Obrigado por me ouvir.
    Gosto do seu blog. Vc é muito legal e amável com todos.

Deixe uma resposta