O efeito das passeatas estudantis


Durante essa semana a região central de alguns dos principais estados do país preencheu-se de jovens, de uma média de 19 anos, em protesto ao aumento da passagem de ônibus.

Também já fui jovem e aos 17 anos participei de uma primeira passeata. Minha mãe era professora do Estado e quem estava no cargo de governador de São Paulo era o Luiz Antônio Fleury Filho, nome que a maioria dos leitores do MVG deve desconhecer (e não deveria, pelo menos quem é de São Paulo). Os professores do Estado estavam em greve e protestavam por melhores salários. Senti na pele o efeito da bomba gás lacrimogêneo. Arde o nariz, a boca, os ouvidos e principalmente os olhos. Imobiliza as pessoas por esses efeitos realmente incômodos. Vi grupos de pessoas, professores e alunos se dispersarem. Ouvi os gritos, os choros e a rebeldia se pulverizar. Vi correria, tropa de polícias enfileirada e todas essas cenas que estão espalhadas hoje nas redes sociais.

Não diferente disso, não aprendi sobre o Impeachment do Fernando Collor de Mello nos livros da escola. Vivenciei esse período de passeata estudantil na prática e estive junto com outros jovens daquela época com seus 17 ou 18 anos que – na sua grande maioria – estavam lá para cabular aula ou faltar no trabalho. Nada muito diferente da maioria das pessoas que participaram no movimento contra o aumento da passagem.

Faz um bom tempo que a juventude não sai as ruas dessa maneira, como aconteceu essa semana, um pouco pela influência e encorajamento das manifestações estudantis que estão acontecendo no exterior, um pouco de uma insatisfação latente e coletiva.

Os jovens daquela época, de protestos em favor dos professores e contra o ex-presidente, já não são mais tão novos assim e acho realmente que o sentimento do movimento é algo importante para a vivência do adolescente brasileiro. Estar lá ou vibrar pelo processo atitudinal do protesto é válido, é legítimo. Tem a ver com a juventude, tem a ver com ideologias e uma vontade de promover melhores condições sob algum aspecto. Mas creio que esse seja realmente o único ganho.

Para quem hoje tem 19 anos, tudo isso que aconteceu agora é a primeira vez, é inédito, existe um sentimento envolvido, uma comoção e aquela impressão que só assim as coisas vão mudar. Ter esse sentimento é o que de fato nos move para quase tudo na vida.

Mas ao mesmo tempo, jogo um balde água fria nesse ânimo de querer mudar o mundo. A mim, que já passei por algumas dessas movimentações sei que o esforço é grande, mas o resultado é menor do que o esperado. Há mais de 15 anos atrás os professores de órgãos públicos ganhavam muito mal. Não parece continuar assim? O Collor saiu do poder, mas depois dele o círculo de corrupção se reciclou, a rede se ampliou e posso dizer que esse ex-presidente virou fichinha em relação a governança bandida que existe hoje.

Sou bastante partidário a esses tipos de manifestações como experiência enquanto se é adolescente, mas terminantemente contra a atos de vandalismo que invadem o bem público ou o espaço civil (estávamos falando essa semana sobre a contrariedade da homofobia / agressão e, de repente, apoiar as desatitudes de pichação e quebra-quebra pelo aumento da passagem, no mínimo, acaba com o caráter de um ser).

O vandalismo tira a moral do jovem e afugenta o apoio da sociedade. Nessas situações quem sofre mais não são os passeatistas, muito menos o governo representado pela polícia militar. Quem sofre é a pessoa civil que nada tem a ver com o movimento descontrolado de um grupo e com a retaliação da polícia.

Digo um grupo porque o movimento dos últimos dias não traduz a causa de todos. O Brasil é extremamente fragmentando em tipos de castas, em classes, em interesses e sensibilidade. Não somente os políticos parecem ter interesses contraditórios, como a sociedade brasileira também. Um é reflexo do outro e vice-versa.

O brasileiro tem memória fraca e – ao praticar atos de vandalismo para chamar atenção e ficar com a sensação de que assim será ouvido, que assim terá a mídia – em certa medida está assumindo a própria condição desaculturada: o que é público é de todos e ao praticar agressões e vandalismos assume também uma postura corrupta, de desrespeito ao bem coletivo.

Isso pode e a homofobia não pode? Qual é a sua, cidadão gay e brasileiro?!

Fogueiras desse tipo, e que acontecem mais uma vez nesse país com a cara do jovem, apagam facilmente. Depois de ter me envolvido em dois movimentos quando era igual a esses moleques estampados nas notícias de hoje, no primeiro sentindo a repressão do governo por intermédio dos militares, e no seguindo notando que a maioria maciça não sabia nem o por quê dos “Caras Pintadas”, assumi que essa onda de passeata não resolve, é inconsistente e tão sem unidade de ideais como o próprio governo.

Formando esse senso crítico busquei outras maneiras de acalentar esse tipo de vontade de transformação. Porque, quando jovem, a ânsia é mesmo de jogar na cara a insatisfação num desejo de modificar alguma coisa que não funciona bem, principalmente quando em coletivididade. Quanto mais pessoas juntas, mais encorajados ficamos. Fui assim e lembro bem desse “eu” daquele tempo que ainda mora em mim.

No fluxo, o PT era o PSTU de antigamente, que é mais um repeteco que se estabelece. Não há a efetiva reciclagem na história. Nos falta sim a evolução.

Movimento autêntico para quem hoje vive a primeira grande passeata de estudantes e é jovem, sentimento de esforço perdido para quem já viveu algo do tipo e, por fim, o modelo estabelecido deve permanecer o mesmo.

O que mudou em mim, influenciado também por essa energia de transformação, foi constituir as empresas que tive até o momento. O sentimento de gerar empregos, de reunir sócios para formar empreendimentos é algo também de efetividade social. Efetividade social e do tamanho que meus braços poderiam alcançar sem depender de grupos cujos interesses vão da causa autêntica ao vandalismo que detona o poder da própria causa.

Vi germinar na minha faculdade os conceitos de 3o. setor, voluntariado e sustentabilidade e tenho um certo tipo de orgulho de ser amigo ou colega de alguns profissionais que constituíram as bases do que tudo isso é hoje no país. Ter aprendido com eles me garante um pouco mais de paz de espírito pois dos projetos sociais que dei a cara e participei notei algumas sementes de mudanças. Obviamente não são ações imediatistas. Nenhum movimento de transformação cultural funciona com imediatismos e passeatas passageiras.

Quem ainda acredita que para mudar o mundo vale um impulso, uma pichação ou um vidro quebrado? Não acredito nisso. Sinto muito.

Não acredito mais em passeatas, seja a LGBT-XYZ ou de jovens estudantes. O efeito, a mim, é de fogos de artifício: explode, é belo, mas extremamente momentâneo. Assim como sair do armário e passar pelo enfrentamento dessa realidade e das mudanças de percepções das pessoas ao nosso redor, a consciência de mudança deve ser individual para depois ser coletiva. Mudanças são processuais, a longo prazo e ações para mudanças devem ser plantadas constantemente e planejadas, orientadas a objetivos.

Não é mais um surto juvenil que vai me motivar. Dar empregos e oferecer condições de crescimento para as pessoas me parece muito mais efetivo. Não quero que ninguém que esteja comigo dependa do bode expiatório dos 20 centavos de réis.

28 comentários Adicione o seu

  1. Um tapa na cara de meu extremismo jovem? Talvez, quem sabe…

    “Porque, quando jovem, a ânsia é mesmo de jogar na cara a insatisfação num desejo de modificar alguma coisa que não funciona bem, principalmente quando em coletividade. Quanto mais pessoas juntas, mais encorajados ficamos. Fui assim e lembro bem desse “eu” daquele tempo que ainda mora em mim.”

    Concordo! Mas ainda não tive a experiência de participar de uma passeata, mas se eu sozinho já fico extremo, imagina na presença de muitas pessoas?
    Vixeeeee! Prevejo explosões de purpurinas! “Cause baby, you’re a firework”, KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!!!
    Parei a “frescagem”.

    “Não acredito mais em passeatas, seja a LGBT-XYZ ou de jovens estudantes. O efeito, a mim, é de fogos de artifício: explode, é belo, mas extremamente momentâneo. Assim como sair do armário e passar pelo enfrentamento dessa realidade e das mudanças de percepções das pessoas ao nosso redor, a consciência de mudança deve ser individual para depois ser coletiva. Mudanças são processuais, a longo prazo e ações para mudanças devem ser plantadas constantemente e planejadas, orientadas a objetivos.”

    E eu concordo novamente! Mudanças são feitas com o tempo, mas eu acredito que nós devemos sempre dar aquele empurrãozinho.
    Passeatas são como empurrões, passeatas querem ganhar a atenção da mídia, e passeata sem a presença da mídia não faz causa e nem efeito.
    Um grande exemplo disso são as “Fêmen”!

    É como você disse: “O efeito é de fogos de artifício: explode, é belo, mas extremamente momentâneo.” Mas chama atenção, e é isso que importa!

    E cara: Somos jovens!! Queremos causar!! É apenas isso!!
    E veja você! Você entende muito bem isso, já que participou dessas passeatas.
    Melhor viver sem medo o que nos faz jovem para depois não arrepender-nos de não ter-nos feito jovens.

    Abraços do CR!!

    1. “Quem ainda acredita que para mudar o mundo vale um impulso, uma pichação ou um vidro quebrado? Não acredito nisso. Sinto muito.”

      Mvg, não sei se seria pedir muito, mas teria como você me explicar esse seu conceito? Por que você não acredita que para mudar algo precisamos de um impulso?
      É meio estranho, lembra-se a um tempo atrás em que eu disse que toda essa revolução para a aprovação do casamento gay foi provocada por simples “impulsos” provindo de Silas Malafaia, saída do Papa e Feliciano?
      Tudo bem que o impulso não foi causado por uma passeata, mas causou a revolta e a saída das pessoas pára defender esse fato.
      E todo resultado deu em que o Casamento Igualitário foi aprovado!

      Se não um impulso para mudar o mundo, o que seria?
      Devemos fazer a nossa própia parte, a parte mínima, para realmente mudar o mundo? É isso?
      E como causar a atitude da mudança da parte mínima?

      Estou meio confuso! É uma ideologia nova e ainda não consegui adaptá-la ou entendê-la…

  2. E deixando uma última resposta:

    MVG que música é essa?
    Fui inventar de analisar a música mais afundo e senti a crítica tocar lá no fundo da minha alma.

    Parei de perturbar!

    Ótimo post! Adorei!

  3. minhavidagay disse:

    Oi CR!
    Quero dizer que a sociedade é composta pela maioria de pessoas reativas e não proativas. Ou seja, precisamos que alguém grite por nós para tecer comentários, ir a favor ou contra. Precisamos de alguém “mais forte”, uma massa de pessoas ou um movimento para reinvidicar uma nova postura.

    No meu Facebook estavam todos calados até acontecer as barbaridades de ontem. De repente, todos aqueles que estavam confortavelmente sentadinhos a frente de seus afazeres resolveram meter um pitaco e mostrar um partido, e cada um atirando para um lado: contra a polícia, contra o governo, contra os manifestantes, contra o civil, contra os 20 centavos, contra a Copa, contra Deus e o mundo. Reatividade, entende?

    A proatividade faz com que exista ação sem esse tal impulso que você menciona. Vou esperar um outro gay ser espancado na rua para mostrar meu descontentamento para protestar e me mostrar avesso a esse tipo de barbárie? Ou vou batalhar para estabelecer uma vida mais plena e condizente a minha homossexualidade sem a dependência de um estímulo externo?

    Somos muito dependentes de movimentos para manifestar nossos pontos. Enquanto não há movimentos fica todo mundo calado, cuidando de seus afazeres domésticos, de suas depressões e crises existenciais. Nos falta proatividade, é isso.

    A passeata persistirá mais alguns dias, talvez semanas. Mexeremos um pouco aqui e ali, mas não é esse “impulso” que vai resolver nossas questões. A proatividade subetende um movimento, um discurso e ações constantes.

    Os responsáveis pela baderna governamental não são os transeuntes e as pessoas que trabalham nos grandes centros comerciais. São civis que estão seguindo suas rotinas e têm o direito de seguir como bem entendem. Esses, como o próprio nome diz, trabalham. Tem coisa mais digna do que o trabalho?

    Se os manifestantes querem chocar e provocar uma mudança efetiva, seria ideal que todos esses se locomovessem até o planalto central do Brasil e lá usassem de toda sua energia para sacudir a espinha dorsal do país. Isso é proavitidade e inteligência. Isso pode trazer algo mais efetivo.

    De postura reativa, aquela que se espera algo acontecer para se identificar e “partidarizar”, estou bastante cansado. Note em todos os comentários das notícias relacionados a essa passeata, nos portais de conteúdo: a grande maioria (civil, que não é governo nem manifestante) estão contra a essa baderna. Virou baderna porque estão depredando o bem que é público, é de todos. A passeata é legítima, mas o vandalismo detona com o poder da passeata de sensibilizar a sociedade. Assim, não existe impulso nenhum e para nada.

    Isso é o que é há anos, muito antes da maioria dos jovens de 18 a 25 anos que estão nas ruas com esse movimento.

    Abs,
    MVG

    1. Perturbando de novo:

      Realmente concordo com você no fato de existir mais pessoas reativas do que proativas, e isso já é um fato! (Até eu sou mais reativo do que proativo)
      Mas a passeata não passa de uma atitude proativa? O preço da passagem aumentou e a passeata é só uma forma de ir contra ao caso ocorrido.

      Eu não tenho tantas informações, mas é como algumas pessoas vieram falar para mim (já que fui em busca de informações básicas):
      “São 20 centavos que não serão investidos em educação, em segurança, em transporte público, são 20 centavos que irão pro bolso de um monte de político.
      ou seja, não são SÓ apenas 20 centavos.”
      “Aumentam o preço, mas não melhoram a qualidade do transporte.”

      E além disso, já começa-se a ter uma revolta quanto a atitude da polícia que age com agressão sem necessidade, ou como diziam os manifestantes “Sem violência”, e isso já gera outras razões para se ter nas passeatas:
      “Abuso de poder”
      “Ditadura”

      Eu estou considerando essa passeata como um caso a parte, mas diante destes fatos, porque não considerá-la como uma atitude proativa? Mesmo que a mesma não esteja mexendo na “espinha dorsal do país”?

      Desculpas pelas tantas dúvidas, mas é como eu disse: É um conceito novo, e um conceito novo meche bastante com a nossas estruturas ideológicas, estou apenas tentando encaixá-lo na minha mente.

      1. minhavidagay disse:

        A proatividade vem de meia dúzia que lidera o movimento. A massa é reativa, reage diante a essa meia dúzia. Reage, vai criando mais massa, perdendo a forma e o controle a ponto de tornar-se autora de vandalismos. O vandalismo acaba totalmente com a credibilidade do movimento e é a pura reação que traduz uma postura inconseqüente, impensada, fora do controle, fora dos objetivos, fora dos propósitos da passeata. É gratuito e depreda bens públicos que são de todas as pessoas, principalmente daquelas que não participam do movimento (a maioria civil).

        Reclamam do autoritarismo da polícia, mas são tão autoritários quanto no momento que destroém monumentos, picham ônibus, quebram orelhões e etc. Se apropriam desses bens e acham que tem esse direito de depredar.

        Como disse, a manifestação tem a sua legitimidade, ou seja, em essência é valida e faz todo sentido para quem vê. Mas na hora que os manifestantes destroém bens coletivos/públicos contrariam o próprio propósito do movimento que é de sensibilizar e conquistar a sociedade. Não tenho o mínimo de ânimo de botar fé nesses manifestantes que detonam o que é meu também.

        Capiche?

  4. minhavidagay disse:

    CR, você deveria saber algumas músicas cantadas pela Elis…rs. Essa música é uma crítica social que no contexto atual fala sobre os diferentes “Brasis” que não se conhecem. Brasis que tem interesses distintos, que não formam uma unidade. Brasis que, por exemplo, não conhecem essa música! Pode ter certeza que o meu Brasil é muito diferente do seu, CR! E isso não é uma crítica no momento que esses Brasis, de alguma maneira, se interseccionam por aqui.

    Mas lá na rua, o que estamos vendo é essa crise entre os Brasis de interesses diferentes. E isso acontece, CR, porque a cultura e a renda desse país é distribuída de maneira extremamente desigual. Não temos uma unidade maior de valores e, assim, temos diversos Brasis.

    Resumidamente…

    Abs,
    MVG

  5. Capiche cara! Hehe.

    Mas essa parte quanto ao vandalismo é outro fato, mas vivemos em um país que as pessoas “distorciam” as coisas. E quando o extremismo passa para o absurdo é nisso que dá… Na verdade o extremismo nunca foi algo tão positivo assim, afinal, a política do “8 ou 80” não funfa!

    Mas vieram várias pessoas afirmando que não ouve agressão provinda dos manifestantes, e sim da polícia.
    Daí fica confuso: De um lado a mídia afirmando uma coisa, e do outro lado afirmam outra…
    Escolho um dos lados ou a imparcialidade? Não sei… Mas é como me disseram uma vez : “Quer resolver seus problemas? Mantenha-se NEUTRO.”

    Em fim, não posso criticar algo no qual eu não tenha um grande entendimento.

    Só sei que foi ótimo debater isso com você!
    Vlws aew, uma boa noite!

    Abraços do CR!!

    1. Eu iniciei todo esse debate sendo que eu simplesmente poderia ter concordado com você dizendo apenas um dos meus conceitos que fazem você viver em harmonia com a sociedade:

      “Enquanto a sua liberdade não invadir o meu espaço, continua sendo liberdade.
      Mas no momento em que a sua liberdade invade o meu espaço, deixa de ser liberdade e passa a ser um problema”

      Passeatas são como você disse “são fogos de artifício: explodem, são belos, mas extremamente momentâneos.”.

      “Passeatas são como empurrões, passeatas querem ganhar a atenção da mídia, e passeata sem a presença da mídia não faz causa e nem efeito.”
      E no fim das contas, acabam por invadir o espaço dos outros.

      Seja proativo e consciente!
      É simples!

  6. “Uma sociedade deve ser proativa, ou seja, devo batalhar sem um estímulo externo.”
    “A consciência de mudança deve ser individual para depois ser coletiva.”

    Como agir sem um estímulo externo?
    Vamos imaginar de que todos já possuem essa consciência de mudança individual. Agora, como partir para a coletiva?
    Você me apresenta os fatos, os mesmos estão no plano do papel, mas como colocá-los em prática?

    “Em uma passeata, pouca parte das pessoas são proativas, o resto é reativo.”
    “E da mesma passeata gera-se o vandalismo.”

    Vejo que você não apoia as passeatas por simplesmente as mesmas fugirem do plano do papel e se contradizerem.
    Então a questão não é as passeatas, e sim o povo brasileiro?

    A questão de todo o problema é o própio povo no fim das contas! Não temos base para formar protestos e derivados.
    E a questão que tá me deixando louco:
    Como resolver o problema do povo?

    Mvg, tu tá me deixando loco mano, e eu to gostando disso.

  7. Pedro disse:

    Finalmente, uma passeata que preste (econômica).
    Essas passeatas de direitos humanos TODAS parecem meio superficiais, muito específicas e frescura .. seja ela dos negros, gays, aborto ou o que for … sendo que a mais ridícula é das mulheres: marcha das vadias. Onde já se viu não querer ser objeto e desfilar com os peito de fora validando mais ainda o objeto? Tipo: totalmente desnecessário.
    Uma passeata de 20 centavos vale mais que todas essas futilidades. Pelo menos 20 centavos é uma coisa objetiva e coerente. Já o que dizer das marcha das vadias? Deviam ser queimadas como bruxas pós-modernas por queimar o filme das mulheres de bem.

    Movimento mais desnecessário atualmente = marcha das vadias

    Mais necessário e honrado? Marcha das margaridas (mulheres trabalhadoras do MST e boias-fria).

    Direitos trabalhistas = necessidade
    Direitos humanos = futilidade

    É assim que as pessoas pensam.
    E não fiquem com raiva do eu disse .. isso é o pensamento majoritário que eu só estou relatando. Não estou inventando nada.

    1. Como um feminista extremo eu não posso me calar diante do que você disse.

      “Essas passeatas de direitos humanos TODAS parecem meio superficiais, muito específicas e frescura .. seja ela dos negros, gays, aborto ou o que for … ”

      Claro claro, essas passeatas que são voltadas para a minoria não valem nenhuma gota de suor. Não valem a pena!
      Mas eu só acho que você deveria valorizar pelo menos aqueles que lutaram contra o fato da sociedade tratar a homossexualidade como doença (Denominada Homossexualismo em sua época).
      Acho que você deveria valorizar aqueles que lutaram contra o Racismo.
      Acho também que você deveria valorizar as Feministas que buscaram por seus direitos em sua época.
      Mas eu acho que não adianta, movimentos como esses são desnecessário para você.

      “sendo que a mais ridícula é das mulheres: marcha das vadias. Onde já se viu não querer ser objeto e desfilar com os peito de fora validando mais ainda o objeto? Tipo: totalmente desnecessário.”
      “Deviam ser queimadas como bruxas pós-modernas por queimar o filme das mulheres de bem.”

      Aaaahhh Claro! Mas antes de falar algo:
      – Qual é o objetivo da marcha das vadias?
      Liberdade de expressão e Respeito!

      – Por que liberdade de expressão?
      Por vivermos em uma sociedade machista, acreditamos que toda mulher que anda “seminua” é uma prostituta, que não presta, não é uma mulher de família, além de afirmarem que são essas que influenciam o estupro! Elas que influenciaram o homem a estuprá-las.
      E com isso, onde está a liberdade de expressão? Onde está o respeito?
      Uma mulher deve sim se vestir do jeito que bem quiser sem ser desrespeitada por isso!
      Por isso o nome “Marcha das vadias”. É simplesmente uma crítica a isso. Por isso que as mesmas se vestem como “vadias”.

      “Estilo não define caráter”, meu caro…

      “Deviam ser queimadas como bruxas pós-modernas por queimar o filme das mulheres de bem.”

      Mano, olha o que você tá dizendo! Que absurdo mano! Depois eu que sou extremista rs!
      Você quer falar de algo que não entende… Quer criticar algo que não entende. Se você não entende, não critique! É simples!
      E quase ia me esquecendo:
      Você não passa de um machista.

      Meu caro, todos esses movimentos “humanistas” são tudo uma questão de luta por uma coisa chamada “Respeito”.
      “Respeito é a base para tudo”. E com esse comentário você acaba de quebrar a base para tudo…

      Não se ofenda com o que eu disse, foi só a minha opinião.

      1. Agora se o extremismo delas passam do absurdo, aí já é a mesma história que eu discuti com o mvg mais acima.

        Quando o vandalismo toma conta, a passeata perde toda a razão.

      2. Pedro disse:

        Quem lutou contra o racismo foi um pastor da Ebenezer: Martin Luther King. E hoje, os gays culpam os evangélicos por uma culpa que é de todos. Isso é muita injustiça colocar o cristianismo como a mazela do mundo.
        Tu ficou defendendo as vadias e não explicou a incoerência e futilidade delas. Quer dizer que as vadias são mais legítimas ou igual às margaridas? Desculpe, mas vc tá muito no mundo alice … sério.
        E não é uma luta por respeito. É por aceitação. Se fosse só pelo respeito a indiferença já satisfazia. Mas o que existe é a necessidade aprovação dos outros. Por isso que querem obrigar os pais a achar a coisa mais linda do mundo um filho gay, sendo que é trágico. É assim na minha família e se eu tiver filhos tb vou achar péssimo. Daí, vcs vem com suas ideologias torpes e falam que é “homofobia enrustida”. Não! Pq eles me respeitam, me amam e me aceitam, só não aceitam a homo. E a luta é de aprovação e aceitação do homo, além da promoção dele. Não vem com esse papo mané de ativista que é só respeito pq não é. Se fosse só respeito, o silêncio e até indiferença já satisfaziam.
        E esses movimentos humanistas culpam Deus por uma culpa que é do homem. Por isso o cristianismo é o para-raios desses movimentos.
        Os negros nos EUA deram certo pq era religioso com o pastor Martin Luther King. Se era dos gays se aliarem a evangelicos e católicos a favor .. não! Eles vão lá e tocam fogo em toda a religião pq estão aliados só com a política (humanismo). Viu as declarações humanísticas recentes da daniela mercury? Bem isso. Já mostra que essa luta perdeu quem foi o maior aliado dos negros nos eua: a religião.

  8. Moço, olha o que você está dizendo:
    “Daí, vcs vem com suas ideologias torpes e falam que é ‘homofobia enrustida’.”

    Você não conhece os meus conceitos, você não me conhece e está afirmando que eu considero práticas como essa como “Homofobia”. Ou melhor, está aderindo a generalização de que “todo gays são frescos”.
    Qualquer tipo de generalização (que é o que você fez muito na sua resposta) e qualquer “conclusão” sobre uma pessoa que você não conhece é considerada como Preconceito.
    Além de machista é preconceituoso! Você é gay mesmo moço?

    Quanto a Ebenezer Martin Luther King: Pode ter sido um pastor, mas foi um pastor que foi contra as ideologias da igreja. E você sabe muito bem que a interpretação das pessoas naquela época tinham para com os negros, a interpretação de que eles eram uma raça inferior, além de ser uma raça punida por Deus.
    Martin Luther King não venceu o racismo sozinho viu moço? Só avisando!

    Quanto a marcha das vadias: A claro, são promiscuas, vadias, putas e prostitutas, não passam de objetos, são uma grande BOSTA pra humanidade não é? Se elas são tudo isso, CLARO, ÓBVIO que devemos desrespeitá-las!
    Mulher tem que se dar o respeito e seguir o critério MACHISTA que a religião prega.
    Segundo: As manifestantes que estão na Marcha das Vadias não passam de mulheres FEMINISTAS. Olha como você é preconceituoso! Está afirmando que não passa de um bando de putas que merecem ser queimadas como bruxas pós-modernas.
    Vem cá, quem és tu para dizer uma coisa dessas? Você fala tanto em religião mas não cumpre o princípio básico que VOCÊS MESMOS pregam: Amar ao próximo como a si mesmo.
    Terceiro: São pessoas que estão manifestando suas ideologias! Estão em busca do respeito, pois vivemos em uma sociedade machista que não respeita a mulher!

    Quanto a ser gay: Moço, ser gay é tão trágico assim? Moço, qual é o seu problema? Ahh já sei, “Ser gay ainda é algo novo para você e mal resolvido”, por isso você considera ser homossexual TÃO trágico!
    Só te digo o seguinte: “Cada um tem seu tempo.”

    “E esses movimentos humanistas culpam Deus por uma culpa que é do homem.”
    ERRADO! Movimentos humanistas culpam toda a sociedade e seus conceitos!
    E mesmo se culpassem Deus, não seriam todos! Vê como você é preconceituoso?

    “Se era dos gays se aliarem a evangelicos e católicos a favor .. não!”
    Claro claro! Se juntar a religião vai ser a resolução para tudo.
    E olha que caso interessante: Um Padre foi apoiar o casamento igualitário, sabia dessa? O que fizeram com ele? Foi excomungado!

    Não sabe dessa notícia? Aqui está ela moço:
    http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2013/05/eu-sou-um-padre-do-seculo-xxi-diz-padre-excomungado-em-bauru.html

    Esse padre não lembra alguém? A claro, Ebenezer Martin Luther King. Pena que o infeliz padre não obteve sucesso!
    Você diz que a religião cristã pode ajudar os homossexuais, só me diga como! Se a mesma não apoia a relação homoafetiva!

    – Mas CR, eles podem te aceitar normalmente, mas não vão aceitar sua prática!

    E de que BOSTA adianta? Dá na mesma MERDA!
    Sabe por que eles aceitam VOCÊ, mas não suas práticas? Por que os mesmos cumprem a base para tudo: Respeito.
    Se não fosse isso, tenho pena de nós homossexuais.

    Quer saber a verdade?
    Passeatas são manifestações de ideologias. Manifestar nossas ideologias é um direito nosso, pois existe a chamada “Liberdade de expressão”. Manifestar ideologias é exercer nossa CIDADANIA.
    Mas é claro que sempre haverá alguém que tentará impedir isso, pois vai contra os seus conceitos.

    Paz e amor meu caro!
    Abraços do CR!!

    1. J disse:

      Afff… Carlos Rodrigues estes comentarios que voce fez neste post voce acabou se mostrando um verdadeiro CHATO! Relaxa cara…

      1. É cara, realmente percebi que sai um pouco do controle.

        Peço desculpas a todos por pertubar tanto.

    2. Pedro disse:

      Carlos tu é um cara inteligente e concordo com coisas que vc diz.
      Concordo 100% com:

      ► Não acredito mais em passeatas, seja a LGBT-XYZ ou de jovens estudantes. O efeito, a mim, é de fogos de artifício: explode, é belo, mas extremamente momentâneo.
      ► Assim como sair do armário e passar pelo enfrentamento dessa realidade e das mudanças de percepções das pessoas ao nosso redor, a consciência de mudança deve ser individual para depois ser coletiva.
      ► Mudanças são processuais, a longo prazo e ações para mudanças devem ser plantadas constantemente e planejadas, orientadas a objetivos.

      Não voltei aqui pra disputar intelecto. Mas pq só aqui tá dando pra conversar essas coisas. Achei super massa vc falar os 3 pontos acima pq não se pode falar isso no meio gay sem quererem cortar a sua cabeça. Estou mentindo? Do mesmo jeito, estou falando coisas extremas que nunca podem ser ditas. Então, discordo em milhares de coisas contigo, mas há tipo uns 3 anos eu não vejo alguém falar de forma franca assim sem medo de ser alvejado pelas gays.

      E eu sou hiper machista mesmo. Assim como vc hiper feminista. Gosto tanto de ser macho e de comer macho (e femea tb.. hehe) que eu vim num site como esse aqui. Bem eu não sou gay mesmo … eu sou um cara que só vai lá e come quem eu quero comer. Vcs que ficam querendo me colocar numa caixa de simpatizante, moderado, turista, bi, pan, ex … sei lá.

      Martin Luther King nunca teria como ser contra a igreja pq a bíblia não tem nada contra a etnia dos negros. Isso aí é folclore da sua cabeça ou de algum livro torpe … pq não compete. O racismo norte-americano é cultural e processo civilizatório daquele povo. Não tem nada a ver com profecia (bíblia). Pode ter com a teologia (doutrina e interpretação) das igrejas brancas contra os negros, mas os negros afro norte-americano quase que em 90% são protestantes pentecostais. Aliás, a música gospel foi inventada pelos negros evangélicos. Os brancos só cantavam hinos.

      A bíblia fala pra amar o próximo, mas a bíblia veio pra condenar o pecado. Agora, vc quer me dizer que dar o cu é uma coisa natural? Tem que passar gel (primeira artificialidade), tem que fazer xuca (segunda artificialidade) e tem que usar camisinha pra não sujar de cocô (terceira artificialidade) além de ser do sistema excretor e não sexual do ser humano (desvio de função). Dentro desse quadro vc acha legal as pessoas não acharem anti-natural? E olha que nem falo em reprodução. É uma coisa que nem vem de bíblia, pois os índios, os povos primitivos e toda civilização SEMPRE teve homo, mas ela sempre foi anti-natural pq é da natureza dela isso. E vou sofrer com isso pq eu quero comer um cu de macho? Logico que não. Nisso, o meu machismo me bloqueia do sofrimento. Vcs feministas ficam de revés na amargura, rancor, chororô de outros não os aceitarem. Macho que é macho faz o que que quer e num tá nem aí pros outros. Se os gays fossem mais machistas eles não seriam tão melindrosos e realmente teriam ORGULHO do que são. Mas, não! Querem ser a parte que sofre da coisa: a feminina. Escolheu o feminismo, então segura a pressão, mermão. Escolheu o machismo, só curtição. Simples assim. A vacina pra lamúria gay seria eles serem mais machistas. Só isso.

      Gostei disso que vc falou agora:

      ► Passeatas são manifestações de ideologias. Manifestar nossas ideologias é um direito nosso, pois existe a chamada “Liberdade de expressão”. Manifestar ideologias é exercer nossa CIDADANIA.
      Mas é claro que sempre haverá alguém que tentará impedir isso, pois vai contra os seus conceitos.

      Estou com medo dos jovens matarem alguém hoje.
      Os jovens estão mais descontrolados que os PMs nessa história.

      Abraços e valeu pela conversa.
      E não te acho chato. Te acho genuíno e de rocha.
      Isso é peito forte de machista. Larga esse feminismo pra lá.

      1. “Isso é peito forte de machista. Larga esse feminismo pra lá.”
        Sou só um homem feminista e você é só um homem machista.

        Mas vamos lá só complementar os meus conceitos:

        “Agora, vc quer me dizer que dar o cu é uma coisa natural? Tem que passar gel (primeira artificialidade), tem que fazer xuca (segunda artificialidade) e tem que usar camisinha pra não sujar de cocô (terceira artificialidade) além de ser do sistema excretor e não sexual do ser humano (desvio de função). Dentro desse quadro vc acha legal as pessoas não acharem anti-natural? E olha que nem falo em reprodução.”

        Se for natural, se não for, não me importo cara. Gosto de uma bunda de homem e gosto de homem. Não estou pedindo para ninguém aceitar isso como normal ou anormal, isso é só uma coisa a mais na vida de cada pessoa, sendo que isso pertence a cada um.
        Reprodução? Foda-se cara! Nem toda árvore dá uma fruta! Pra ser família, pra ser uma relação deve ter filho? Desde quando? Conheço muito casal hétero que não tem a mínima vontade de ter um filho.

        “…SEMPRE teve homo, mas ela sempre foi anti-natural pq é da natureza dela isso.”
        Coisa anormal? Vamos falar do passado: Todo grego adorava dar e comer cu de macho. Nem vem dizer que é anormal porque era a coisa mais normal pra eles.

        “Nisso, o meu machismo me bloqueia do sofrimento. Vcs feministas ficam de revés na amargura, rancor, chororô de outros não os aceitarem.”

        Pelo contrário meu amigo, machismo nunca apoiou uma relação homoafetiva, quer saber o que eles acham de mim e de você? Somos dois viados, dois baitolas, duas bixas e dois boiolas que gostam de ficar frescando com outro macho.
        E nem sou fresco a ponto de negar, se a sociedade me trata assim, eu sou e pronto. Não me importo.
        Feminismo de chororô porque não me aceitam? Cara, se fosse assim eu estaria caladinho desde o começo. Ao invés de ficar de chororô, vou e bato de frente com o problema.

        “Se os gays fossem mais machistas eles não seriam tão melindrosos e realmente teriam ORGULHO do que são.”
        Não me faça rir cara! Sou um feminista extremo e tenho maior ORGULHO de ser gay! Tanto orgulho que quero que meu filho seja gay!
        A diferença é que eu não mostro esse meu orgulho a ninguém, afinal iria contra os meus conceitos. (Além de achar muita imaturidade)

        “Martin Luther King nunca teria como ser contra a igreja pq a bíblia não tem nada contra a etnia dos negros.”
        Olha como você fala. A bíblia não tem nada contra, mas a igreja, a religião daquela época sim! Por isso que eu disse que Marthin Luther King foi contra a religião.

        “Escolheu o feminismo, então segura a pressão, mermão.”
        Pois é, já assinei esse “risco” assim que eu aderi o feminismo.
        Pressão? Devolvo no mesmo jeito.

        E você mesmo disse: “Machismo, só curtição.”
        Pois é cara, escolhi o caminho mais difícil, mas que não deixa de ser bom.

        De qualquer forma: Um beijo e um cheiro no seu Edy.

        Abraços do CR!!

      2. Julio disse:

        Pedro pelo seu comentario vc é uma pessoa q nao se aceita! Para com isso! Eu me aceito cm eu sou, gsto d homem e ponto. Acabou. Vc tmbm gsta d homem e ponto. Nao adianta vc se debater e achar q isso é uma injustica, pois isso q sente nao vai mudar. Aceite-se kra. Ah isso nao é normal e bla bla, anormal e se reprimir, se ignorar o q vc sente. Vc diz ” eu so vou la como cu” uai eu tmbm como e dou e continuo sendo homen maxo e dai?

      3. Caio disse:

        No mínimo trágico o discurso desse Pedro. Um cara que é o que é e ainda por cima diz que o que os gays são anormais, no fim só conclui-se que ele também é um anormal. Coitado, aqueles que não se aceitam tem mesmo um vida sofrível e as vezes nem percebem. A hipocrisia gritou agora.

  9. xyz disse:

    Nossa, que preguiça este povo do politicamente correto!!!!zzzzzzz

    1. Caio disse:

      Preguiça eu tenho do povo que ganha tudo fácil na vida e se esquece de que para isso alguém teve que lutar ou até morrer por uma causa, esta que agora é vista de uma maneira mais aceita e se reflete numa vida mais digna aos que nela se envolvem. Se não fossem os batalhadores pelo politicamente correto que começaram um movimento e que ainda se esforçam por ele, você talvez poderia nem sequer se pronunciar para dizer tamanha asneira.

      1. xyz disse:

        bláblábláblá…O pior do politicamente correto é achar que mulher é uma coitada, relegada ao ostracismo e acuada por mazelas derivadas da sociedade perversa!!!! bláblábláblá!!!!! Ui, como adoro palavras de efeito!!! Preguiça again…zzzzzzzzzzzzzz

  10. minhavidagay disse:

    É como digo… esses movimentos incitam fortes objetivos em comum, mas fortes discordâncias também, principalmente nesse Brasil cuja diversidade é linda por um lado e bestial por outro.

    Abs a todos,
    MVG

  11. Pedro disse:

    A extrema direita vai se apoderar do movimento. Espere e verá. Vão aplicar o Golpe Branco aqui no Brasil. Depois, veja no google. Não é o mesmo que ditadura e golpe militar, mas é da direita.

    A manifestação começou com o PCO e PSTU batendo no PT de Sampa. E a ong da Luciana Genro PSOL entrando explodindo tudo pro cenário nacional. É uma briga de esquerda contra esquerda que a direita vai se apropriar. Todos que estão marchando vão se surpreender daqui algumas semanas. Se o movimento é nota 10 pela cidadania, mas é uma mula sem cabeça pela política, vão colocar uma cabeça nessa massa (mula). Pode esperar. Fiquei feliz pelo civismo, mas politicamente esperem a direita massacrando a esquerda até junho na Copa e depois com o cenário pronto pra outubro nas eleições. Fora que ainda vão tirar da manga uma CPI da Copa ou dos Estádios e a coisa vai ficar feia … se pegar o Itaquerão do Corinthians, já racha o PT todo e o Lulla com certeza tirou o dele de lá.

    Hoje, a gente vê nitidamente que a pauta gay deve passar porque pra geração Z e suas famílias é feio e reprovável chegar em casa e falar pros pais que foi protestar pela maconha, viados, vadias e coisas tais que são vistas como fúteis (minorias). E, agora, por mais que sejam 20 centavos é algo econômico e real (maioria) que dá mídia, dá status em casa, na família, na quadra, no trampo, no facebook e no instagram. Lógico que os gays vão tentar capitalizar o movimento pra eles, mas não vão ter êxito. Tá mais que provado que as paradas gays são mero carnaval com DJ’s, música alto, turismo, dançarinos pelados, sexo nas ruas, drogas pra todo lado e uma grande micareta com pegação geral e politização 0%. Tanto que a contabilidade da futilidade da parada gay é sempre falar em quanto rendeu de turismo e comércio … e nunca os resultados políticos disso.

    A população já começou a perceber isso queimando bandeiro dos gays ontem, junto com as de PSTU, PCO, PT e PSOL. Os gays vão tentar ganhar o movimento nisso mostrando que são cívicos, mas o tempo já passou. Perdeu-se muito tempo com festividades da parada gay e brigas midiáticas inúteis com bolsonaro, feliciano e malafaia. E a própria geração X vai barrar, como barrou esse civismo anônimo do movimento mula-sem-cabeça com a cabeça e partidarização que o PSTU, PCO e PSOL quiseram dar, por mais que a origem de tudo com os 20 centavos estejam com eles lá em SP.

    Acho que esse tema realmente passou: minorias. A geração X quer uma causa legítima pra lutar e há 3 anos a pauta das minorias não surtiu legitimidade, justificativa e relevância pra eles. Eles querem mudar o Brasil. E a maioria que manda, não a minoria. Democracia é o governo da maioria. Sei da importância da igualdade e justiça social, mas chega uma hora que vira utopia, pq não dá pra minoria ser a prioridade na democracia, pois condicionalmente ela é o governo da maioria.

    Mas essa pauta das maiorias é tudo que eles queriam: a geração X. Agora, eles têm legitimidade como os caras pintadas e o que é isso companheiro. Por mais que na quinta-feira em passeata que eu fui, 30% ser de gays em alguns horários, não aparece isso noticiário e nem nas palavras de ordem. A minoria foi abafada no contexto atual que começou nessas últimas duas semanas: reivindicações da maioria. A minoria pode estar lá, mas não vai mais passar no jornal, pq o gay agora não é mais gay …. é brasileiro.

    E as famílias e a sociedade apoia a maioria por uma questão simples: concordar com maconha, viado e vadia, por mais que isso possa estar na sua órbita, não é a da maioria. Pq essa reivindicação da minoria vai contra todo o sistema de valores da família e da maioria, aliás, até da minoria pq eles vieram dessa maioria: brasileira. Na mesma lógica, a sociedade ser signatária de fúteis 20 centavos é ir contra todo o sistema político brasileiro, que já tá condenado há anos. Logo, a GeraçãoX descobriu que vale mesmo lutar com a maioria e não com a minoria pq tem mais status social, se legitima com uma briga realmente nacionalista e brasileira, não é combatida em casa pq pros pais quem marcha pela maconha é maconheiro, quem marcha por vadia é prostituta e quem marcha por viado é sem vergonha. Pras famílias, se vc marcha pelos míseros 20 centavos … vc é lindo e maravilhoso porque vc marcha pelo Brasil, pela sua casa, sua família e tudo mais.

    A pauta das minorias é importante, mas todos sabemos que ela é mais operacional em países ricos que já cumpriram a missão e o dever de casa da renda, patrimônio. O Brasil está bem porque não tem desafios como a Primavera Árabe lutando contra militarismo, ditadura e teocracia. Mas o Brasil está longe de fazer o seu dever de casa político e econômico da maioria pra se dedicar à minoria. Então, assistam ao sumiço da pauta LGBT no plano político e midiático em 2013 e 2014. Outra: o Feliciano aprovar a cura gay e sair da CDH esse projeto só apaga mais o noticiário LGBT .. com o que se vai fazer notícia de gay agora? Diga-me.

    Tu tinha que fazer um texto sobre isso: será que a minoria não sumiu dentro da maioria a partir de agora?

    1. minhavidagay disse:

      Oi Pedro!
      Gostei do seu texto. Mas acredito que você tenha escorregado na “mandioca” quando diz que a maioria tem se privilegiado sob a minoria no movimento atual. E não estou começando esse discurso para valorizar exclusivamente a minoria gay que você se refere (e que em sua ideia ficará apagada pela maioria). Um milhão de pessoas não corresponde a maioria, longe disso. A maioria, definitiva para o Brasil, está no norte e no nordeste vivendo os modelos de coronelismo / bolsa família. Questionei hoje a minha empregada sobre tudo isso que ela tem visto do movimento. Ela trabalha comigo, é evangélica, veio da Bahia e está com a minha família há mais de 20 anos. Ela corresponde a verdadeira maioria brasileira e disse assim: “eu acho uma perda de tempo e uma estupidez esse movimento. Essas pessoas precisam trabalhar ao invés de ficar atrapalhando a vida de quem batalha todos os dias. Essa história não vai dar em nada. Essa violência não presta”.

      A princípio, poderia achar que ela se referiu a tudo isso por ser evangélica e pelo Marco Feliciano, seu congênero religioso, estar na mira do movimento. Mas como você bem disse, o mote da minoria GLS que protesta contra o Feliciano não está na mídia. Realmente, não está na mídia tradicional que ela é certamente usuária (tv). Mas está massivamente na mídia online e nas redes sociais.

      Isso que você intitula de “maioria” eu chamo de minoria classe média / burguesa. É também uma minoria. Só que eclodiu nesses últimos dias uma onipotência predominantemente x / Y e burguesa de querer mudar o mundo. Só que, como você bem disse novamente, é uma mula sem cabeça. No Facebook intitulei de GIGANTE ACÉFALO, que é a mesma coisa. E essa acefalia da mula ou do gigante se dá pelo nosso histórico cultural apolitizado. As pessoas, X ou Y, nos últimos dias, agonizaram por feitos milagrosos, impeachments, fim da Copa e etecetaraetal. Mas é o grito dessa mesma minoria burguesa.

      Minoria burguesa, dos radicais extremistas, facistas e anarquistas aos moderados, paz e amor, românticos, patricinhas e ufanistas.

      Confesso que dizer “direita” ou “esquerda” nesse momento é precipitado. As pessoas não tem o mínimo de senso político para definir lados e renegam veementemente em assumir partidos. A mim não consigo detectar nada de esquerda, nem de direita, muito menos de centro. A mula sem cabeça ou o o gigante acéfalo está sim é muito confuso.

      Está aí meu texto sobre a maioria: ela está calada no modelo do coronelismo e recebendo bolsa família. Esse sentimento de “maioria” do movimento é apenas um consolo da classe média de sair do seu estado atual de médio-cridade.

      1. Pedro disse:

        Sim, concordo com tudo o que você disse. 100%. Não venho aqui pra disputar intelecto e ficar posando de réplica, tréplica e essas putaria de vaidade em discussões. Tanto que falo o que concordo (ou não), elogio e xingo também, porra. E a parte da empregada evangélica é a melhor porque ela é um ser humano e tlz saiba menos que o pessoal das redes sociais quem é Marco Feliciano, nome que nem os evangélicos conheciam direito até então.

        O que digo da pauta é em relação ao fato de a CDH já ter sido rifada pra outros partidos e isso se revalidar ainda mais em 2014 pq não vão mexer nesse vespeiro de novo num ano que vai ter copa questionada e eleições. Mas tb pelo fato que tu disse em outro texto de só o PSOL ainda estar firme com a pauta LGBT, mas pq não tem poder. Pq eu não sei se eles estivessem em cargo de poder eles não fraquejariam, pois a pauta é historicamente do PT. E ele deixou em segundo plano por causa de alianças. Coisa de quem é situação, governo. Enfim, a prostituição da política.

        Pela mídia, sei que nem a mídia e nem o público consegue se ater a vários temas ao mesmo tempo. Pra entrar a pauta LGBT, teve que sair a da etnia e racismo (anos 2000), não entrou a da mulher (que é antiga), a dos idosos, índios e deficientes JAMAIS entrará pq eles não são tão econômico$$$$ assim, apesar de serem figuras políticas. Com a entrada dessa pauta do Brasil brasileiro … não vai ter espaço mais pra pauta LGBT como era de 2009 até agora em junho. Isso, eu acho que não muda. Qualquer coisa LGBTT vai ser metabolizada como pauta da esquerda (nas eleições) e dos brasileiros (como é agora nas manifestações).

        Fui na manifestação de quinta e de 15h a 17h só tinha adolescentes. De 17 a 20h … nitidamente 30% eram gays. E depois misturou tudo tendo pessoas de várias idades, e não só as com cara de estudante. Tenho gente da periferia também, pois antes era mais de perfil ensino médio e universitário. E por mais que fossem numerosos, lá na hora, eu já sabia que os gays não apareceriam mais nas edições, nas narrativas e tudo mais das coberturas. Os gays deixariam de ser gays pra serem brasileiros. O que não é ruim pros gays, mas estou falando da exclusividade da pauta na mídia, como foi até agora. Veja: fevereiro todinho foi discutindo Gabi e Malafaia. E março e abril foi discutindo o Feliciano. Sendo que Bolsonaro é um papo de 2011 e 2012 na época do Kit Gay, que já foi coisa enterrada e não virá à tona novamente, como eu acho que CDH já encerrou e não terá mais nada do tipo a tratar em momentos futuros, mais tensos e perto da eleição que hoje.

        Finalizando, a parte do que vc amplia o meu maioria pra classe média insatisfeita é bem genial, comentário típico de uma pessoa elevada como vc, que sabe metabolizar meus comentários ácidos e não-zona comum, mas que sabe que estou vindo aqui pra dizer o que ninguém diz. Repito: genial o que vc disse e continuo te admirando por isso. O blog é ótimo porque vc é alguém que saiu da cena e tem um visão não estereotipada da sexualidade e das pessoas. O dia que vc voltar pra cena, vai ficar com blá, blá, blá de politicamente correto e isso vai ser evidente até nos seus textos e o blog vai virar mais um pastiche de gay na net.

        Repito: genial. O diferencial do seu blog é exatamente isso: você não é engessado na cena, nem na estereotipia, nem na militância LGBTT. Acho que vc é mais honesto e focado na vida privada e na felicidade. Por isso, as pessoas vêm aqui e vc tem credibilidade recebendo até gente que é hetero, bi, curioso, fora da cena, curioso, medroso, tudo mais.

        Obrigado pela conversa e desculpe as marretada que eu dou, mas eu sou intenso e fodão da mão pesada mesmo. E sei que tu tem capacidade de metabolizar isso (e não todos os leitores). Por isso, sempre comento os posts depois que a mará e o pessoal de couro fino já passou. E aí, só fica tu que é casca grossa. Aliás, descobri que MVG é 3 bloggers. …. então fica o elogio pra esse aqui fecha o perfil que eu acho legal: o empresário da publicidade fora da cena e que é uma pessoa real e não um boneco programado pelo ativismo LGBTT ou pelo protocolo do gay lifestyle da cena.

        Só somando o lance das bandeiras gays e negras queimadas:

        ► “O fato é que há um déficit de democracia participativa que vai ter que ser resolvido. Só votar e esperar quatro anos não adianta mais. Uma reforma política, que inclua ferramentas de participação popular, pode ser a saída. Lembrando que aumentar a democracia participativa não é governar por plebiscito – num país como o nosso, isso significaria que os direitos das minorias seriam esmagados feito biscoito. Como deu para ver em alguns momentos, nesta quinta, na avenida Paulista.” http://blogdosakamoto.blogosfera.uol.com.br/2013/06/21/e-em-sao-paulo-o-facebook-e-o-twitter-foram-as-ruas-literalmente/

        Só expandido o que tu fala das redes sociais …. elas viraram uma agenda. Um grêmio estudantil. Vejo essa coisa de os políticos multiplicarem as suas atuações nas redes, pois já tem fanpages que são verdadeiras assessorias de imprensa e de comunicação pra fazer propaganda nessa ambiente informal lançando imagens e piadinhas divertidas sobre conteúdos políticos. O informal das redes eu acho que tende a cair pq todos os partidos vão querer transformar esse ambiente em verdadeiros comitê eleitorais e a coisa vai ficar chata e enfestada de propaganda política … tudo o que eles querem é as pessoas na vida privada e na informalidade da net comprando a versão deles. E isso vai acontecer. Mas o bom de tudo é que essa coisa toda deu uma politizada no Brasil e esfriou um pouco a espinha dos políticos … fazendo-os ver que podem levar uma coça dos brazuca.

        Abraço seu puto politiqueiro e blogueiro du-carai

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s