Ideias sobre a homossexualidade – Flávio Gikovate viajou…

Em dois ou três posts trouxe referências positivas do psicoterapeuta Flávio Gikovate embasando alguns de meus argumentos sobre assuntos da sexualidade. Mas o leitor e colaborador Fernando Lima enviou uma gravação da palestra de Gikovate debatendo sobre a homossexualidade e – para minha surpresa – o psicoterapeuta expressa-se sobre o tema de maneira bastante ufanista.

Para muitos, a gravação que deixarei ao final desse texto trará desconforto e indignação. A mim, lamento por existir um formador de opinião desse naipe que se equivoca em falar de “mundo homossexual” se referindo na verdade a apenas um grupo pequeno de gays conectados à promiscuidade e perversões. Refere-se também a Freud, que é um marco da história da psicanálise mas quem estuda hoje sabe que seus fundamentos quase não se aplicam mais nas escolas modernas. Ao final da palestra o psicoterapeuta fala das mulheres de uma maneira até machista e no início enumera características para qualquer homossexual de maneira equivocada. Equivocada no sentido de tomar a vivência e manias de uma parte de gays como um todo.

Confesso que muito me irritou saber que uma figura conhecida como ele e que ajuda a formar opiniões lança conceitos tão antigos e limitados. O “mundo homossexual” é muito maior ao que ele se refere e me parece que – quando o assunto é ser gay – o psicoterapeuta parou no tempo (que inclusive é dele). Gikovate elabora suas percepções e avaliações num universo fechado da geração dos Baby Boomers e geração X quando tendências à perversão e promiscuidade eram inseridas culturalmente no universo do gay pela pura falta de acesso e restrições sociais.

Flávio Gikovate manda muito mal quando define o homossexual
Flávio Gikovate manda muito mal quando define o homossexual

A mim, por um lado, já lançou ideias e conceitos interessantes como a divisão entre amor e sexo. Fala também da possibilidade da conversão de alguns gays que não se identificam em absoluto com o universo homossexual e fico aqui me perguntando se não existe realmente uma parcela de homossexuais que atingem essa tal “conversão”, afinal, sexualidade não é bipolar (hétero/homo). Sexualidade a mim é 360 graus. Mas dizer que todos os gays tem hábitos promíscuos e sujos é falta de conhecimento, ou melhor, restrição referencial de alguém que tem uma visão velada sobre a vida gay.

A maneira como traduz a homossexualidade é um atestado de que seus estudos estão dentro de uma caixa de sapato, escura, com pequenos orifícios redondos. Dark room, Gikovate, não é a realidade homossexual!

18 comentários Adicione o seu

  1. Ernandes disse:

    Esse especialista conseguiu descrever o universo gay de uma forma tão clara que eu fiquei impressionado. Ele acertou tudo na mosca!!! Como consigo o áudio ?

  2. Ernandes disse:

    Você pode enviar este áudio para o meu e-mail?

    ernandes-almeida@hotmail.com

    Muito obrigado. Seu blog é muito interessante.

    1. minhavidagay disse:

      Oi Ernandes!

      Infelizmente não posso passar esse áudio para que haja uma promoção positiva desse assunto. Mas você tem total liberdade para convidar seus amigos para escutar a palestra aqui no Blog MVG.

      Abs,
      MVG

  3. Caio disse:

    Eu disse numa outra postagem que este “intelectual” não estava lá com tanta credibilidade no que diz. Naquele momento ele falava que num futuro próximo as pessoas gostariam de pessoas e não seriam mais “rotuladas” de héteros, bis ou homos. Tudo balela, pois afinal ninguém se “rotula” porque simplesmente precisa de uma definição classificatória, mas sim pois sua própria natureza se expressa espontaneamente dessa forma e apenas damos nomes aos bois. Acho que ele não difere da maioria da sociedade quanto a não entender de uma vez por todas o significado de orientação do desejo sexual: quem é homossexual é apenas um homem que gosta de homens e mulheres que gostam de mulheres ao longo de sua vida, seja exercendo essa prática no cotidiano, seja ocultando ou oprimindo-a voluntariamente.

    Tratar todos os homos da mesma forma é o mesmo que dizer que todos os idosos são pessoas caídas, fracas ou desinteressadas na vida, por exemplo. Ora, se existem tantos idosos ativos, que gostam de fazer atividade física diariamente e outros que não, aí já se vê uma diversidade dentro do segmento social chamado: idosos. O mesmo ocorre com os segmentos sociais baseados na sexualidade. Isso sem mencionar as outras inúmeras formas de diversidade visual e de personalidade que indivíduos homos, bis e héteros têm.

    Com relação à promiscuidade sexual, que entendo eu ser um tipo de relacionamento que não se baseia no apego a pessoa com a qual se relaciona, que se baseia em vários envolvimentos sexuais em curto período de tempo e claro até mesmo com vários parceiros de uma única vez, digo que não tenho nada contra e nem muito menos darei uma de puritano dizendo ser um ultraje ou até mesmo errada. Desde que seguidos os procedimentos de cuidados com a integridade física e mental dos envolvidos, para mim não há nenhum problema. Cada um faz o que é melhor para si. Não vou julgar, até porque não sigo a visão de que para todos serem felizes é preciso haver relações estáveis ou casamentos, ou seja, que o que é contra ou diferente disso é nefasto.

    Por fim, se utilizar de uma visão totalmente negativa da promiscuidade e aplicá-la a praticamente todos os homossexuais e ainda por cima nas entre linhas querer favorecer a heterossexualidade em detrimento da primeira é de uma falta de noção tremenda. Dá até pena desse senhor.

  4. Dúvida disse:

    Só uma dúvida:
    360º = dar uma volta e voltar ao início
    180º = guinada para a outra posição geométrica oposta.
    Vc foi irônico ou não com 360?

    Sem polemizar nada.
    Só checando o TOM dessa expressão: ironia ou não?

    1. minhavidagay disse:

      Oi “C”!

      Sem ironia. Na realidade, quando falo 360 graus é o olhar: das sexualidades a mim é possível fazer uma analogia com uma “pizza”. Existe uma fatia estabelecida da heterossexualidade. Mas existem frações de outras fatias, divididas e subdivididas em transgêneros, transexuais, andróginos, gays enrustidos, masculinizados, afeminados, bissexuais, etc… veja esse post: http://minhavidagay.wordpress.com/2013/06/28/reflexoes-sobre-o-gay-enrustido/

      Abs,
      MVG

  5. Ernandes disse:

    Poxa, eu queria fazer um estudo com o áudio! Valeu então…

  6. Eu fiz um texto enorme pra comentar aqui… Mas desisti de comentar, pois deu preguiça, sei lá, mas resumindo:

    Eu sou uma beesha que A-D-O-R-A ser promíscua. Sou uma beesha PORCA e SUJA. A-D-O-R-O uma buceta mas não quero admitir e fico dizendo que A-D-O-R-O POMBA só porque estou confusAAA. Pego 2500 pombas POR DIAAAAAA!. Sou uma beesha INFELIZ!
    E agora estou indo fazer A putaria nos setes mares, ou melhor, no chiqueiro que eu visito todo dia! E um bj no seu Edy porque você não passa de uma RE-CAL-CA-DA!

    Baah, por favor né? Ajhuahuahauhauahauha! Pessoas assim não merecem minha atenção e nem ponho fé.
    Mas pra deixar um ar mais humorístico sobre essa minha última frase:

    “Minhas purpurinas para você que acredita nisso.”
    https://encrypted-tbn1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQwz5GSh8iDKsGLkwqJYgpudGJVVIAtObL4v6hmi3-pF0JVaM1q

    Abraços do CR!!

    1. A imagem acima era para ser um giff do Jake Bass, mas não sei porque não está se movendo.
      Recolocando:

      “Minhas purpurinas para você que acredita nisso”
      http://data.whicdn.com/images/51277375/tumblr_mh9461Vp2Q1ryiglao1_500_large.gif

  7. Matheus disse:

    Sinto como se estivesse ouvindo uma pregação. Muito parcial e ignorante. Clientes homossexuais de Flávio Gikovate: eles o odeia…

    1. Matheus disse:

      Observações: estudo medicina e me decepciona ver um profissional da saúde animalizando grupos específicos de seres humanos. A linguagem vulgar usada ali é ruim, mas pior é trazer as concepções pessoais, baseadas numa aparente pequena amostragem, e jogá-las conceitualmente como se fossem absolutas.

  8. Ali disse:

    Desde que você citou pela primeira vez as ideias desse senhor,eu já discordei de cara e não havia nada que me fizesse concordar ou simpatizar com com as opiniões desse cara!

    Isso serve para aprendermos a não endeusarmos e nem puxarmos o saco de pessoas cuja a honestidade intelectual é bastante duvidosa,com linguagem vulgar,baixo e explicações simplistas,generalistas,deterministas etc…
    Sem contar as várias falácias e comparações esdrúxulas que ele solta a todo instante.

    São pessoas que tentam desconstruir tudo aquilo que não lhes apetecem com uma raiva niilista e hedonista,proporcionam uma liquidez de valores absurda.
    E “intelectuais” e “formadores de opinião” desse naipe existem aos montes no nosso país.Constituem uma intelectualidade decadente,niilista e vulgar.

    O senhor Gikovate com essas opiniões e visão de mundo,é tão vulgar e depravado quanto qualquer homossexual que ela tenha citado em suas falas.LAMENTÁVEL!!

    O que me conforta é que cabecinhas fechadas como as desse cara já estão acabando,típico “cientista” e “intelectual” da era baby-boomer,com essa espécie de século XX distorcido guardado na cabeça.

  9. Rone disse:

    É verdade sim. Muitos gays vivem assim, na promiscuidade e no mundo da baixaria. Muitos são solitários. Mas não são todos que vivem assim. E ele como um psiquiatra renomado não deveria dizer essas coisas, pois só faz aumentar o preconceito aos gays. Hoje em dia existe casamento civil para casais do mesmo sexo, adoção de crianças por casais gays, direitos iguais e leis que criminalizam a prática da homofobia, etc.

  10. Ana Paula disse:

    Quando ouço flavio gikovate falar lembro-me do livro a genealogia da moral e penso:ainda bem que existe Friedrich Nietzsche para nos absolver!!!

  11. cauana disse:

    Extremamente preconceituoso. Me decepcionei muito.

  12. Marcelo disse:

    Ele relata claramente o caso de homens bisexuais. Os bisexuais podem trabalhar de forma anti natural o foco de sua orientação à sua conveniência social. O homossexual admira e acha belo o sexo oposto mas não tem atração sexual narural pelo sexos oposto. Simples assim. E convenhamos, tanto o sexo romântico quanto ao sexos sacanagem não é exclusividade só universo homo. Isso é uma tendência majoritarimente do universo masculino, independente da sua orientação. O que acentua a promiscuidade da homossexualidade é a opressão heteronormativa social que insiste em recusar essa realidade antropológica fazendo com que sua manifestação seja mais proeminente nos guetos e submundo sem ordem onde o ser acaba por buscar aliviar os excessos de suas necessidades.

  13. Pedro disse:

    Infelizmente o pessoal não entende que a homossexualidade por si só, é só uma das formas de expressar o afeto (seja ele de natureza romântica ou sexual, ou ambas) por alguém do mesmo sexo. Simples assim. Que sempre houve, e sempre vai haver, porque isso é perfeitamente natural, antes mesmo de surgir o termo ‘homossexual’ em si.

    Não é um pacote que vem com o desejo de ‘dar o c*’, ou com algum nível de perturbação psicológica, ou desejo de se transformar em alguém do outro sexo, ou com algum tipo de perversão associada, ou promiscuidade, enfim dentre outras características associadas, que contribuem para a construção e manutenção do ‘arquétipo’ do homossexual na nossa sociedade, claro, que isso tudo não veio sozinho, teve o respaldo da literatura científica médica naturalista do século XIX, que dizia que era uma perversão, e em termos mais ‘elogiosos’ (pra eles) ‘inversão’, imagem totalmente estigmatizada.

    Tem até um vídeo no canal Põe na Roda no Youtube que tem esse mote ‘Não é porque eu sou gay que eu…”. Nossa, aquilo é super descontraído, didático, qualquer um pode entender, é genial, porque é simples.

    O pior de tudo isso é que ouvir essa quantidade de impropérios de uma tia velha, ou da mãe homofóbica de um namorado (rs) é uma coisa. Ouvir essas palavras de um senhor que tem uma reputação, que é um psicólogo e psiquiatra super-respeitado é outra totalmente diferente.

    Não quero ser o defensor do ‘demônio’, mas eu juro que entendo o lado dele nisso tudo. Ninguém é perfeito afinal. Ele tem o direito de exprimir as suas opiniões, desde que seja de uma forma responsável, sem constranger e nem ofender ninguém. Ele exagerou sim, extrapolou sim, e eu acho sim também, que maiores explicações ou até algum tipo de retratação viesse bem a calhar Duvido que ele faria ou que fará isso um dia, mas eu acho que seria uma atitude razoável da parte dele, ainda mais por ser um profissional super-reconhecido aqui no Brasil, suas atitudes e seu discurso, em tese, deveriam ser de conciliação, algo de tom mais moderado, sóbrio, e com neutralidade.

    O fato é que todos aqueles se identificam como homossexuais tem que estar cientes disso, não é só o Gikovate que pensa assim no meio que ele trabalha, ele reverbera o que o senso comum acredita e o pior, o que muitos profissionais da área de saúde mental acreditam, ele reverbera aquilo que se arvorou na nossa sociedade, e isso não é de hoje, isso é milenar. Não vai se modificar assim do dia pra noite, a mudança de ‘mentalidade’ é uma questão de tempo, que pode ou não vir a acontecer de uma forma mais plena no futuro.

    Acho engraçado ele ter falado sobre a questão do prazer, que hoje ‘tá na moda dizer que a relação homossexual é mais prazerosa’. Ele deve saber que caiu no erro da generalização, eu concordo com ele, mas do ponte vista geral sim, a prática do sexo homossexual é tão legítima e prazerosa quanto a heterossexual. Agora querer impor ao outro a restrição de dizer que acha mais prazerosa uma prática que a outra, é de uma arbitrariedade sem tamanho, se é que eu entendi bem o que ele disse. Em outra palavras, é ‘recalque’ (rs).

Deixe uma resposta