Leitor Caio entrevista MVG: Quais as primeiras lembranças de atração por homens – Parte 1


Um dos leitores participativos no Blog Minha Vida Gay elaborou um tipo de entrevista para que eu contasse um pouco mais da minha vida, saindo um pouco das reflexões que faço por aqui sobre minhas experiências e percepção de mundo, para entender um pouco mais da história que me fez chegar até aqui: gay, emancipado e satisfatoriamente resolvido por ser assim.

Os textos que contam passagens da minha vida, com foco principal na minha homossexualidade, ficaram longos (não totalmente desprovidos de minhas reflexões de mundo – rs) e, assim, resolvi dividir a entrevista por temas que estarão aqui em sequência.

Vamos lá:

Caio: Algo que sempre vem à tona quando nós confirmamos ou formalizamos o conceito de homossexualidade (nos auto-aceitamos como tal) é tentar olhar para trás e buscar a origem disso. Bom, pelo menos a maioria tenta. Então, quero saber de você desde que momento você tem lembranças de já sentir “diferente” e que agora crescido entende que já se atraia por homens naquela época?

MVG: Oi Caio! Obrigado pela entrevista.

Então vamos lá: fazendo uma regressão mental, não posso dizer que me sentia propriamente diferente. Sempre tive um contato fluido com meninos e meninas, meus pais não me deram uma educação que delimitava “assuntos de meninos” e “assuntos de meninas” e, assim, não tive esse referencial de começo de vida, quando – por influência principalmente dos pais – a grande maioria das crianças precisa se enquadrar em hábitos que se caracterizam aos gêneros.

Tenho apenas uma lembrança que configuraria minha mãe reagindo de maneira preconceituosa, ou melhor, delimitando esse tipo de espaço: tínhamos uma casa de praia no litoral norte de São Paulo e, na ocasião, uma de minhas amigas não estava. Quem estava era o tio com o namorado passando um final de semana por lá.

O condomínio estava vazio e eu tinha certa afeição em estar com os adultos, pais de meus amigos, mesmo quando os próprios amigos não se encontravam. Sabendo que o tio da minha amiga estava por lá, falei a minha mãe que daria um pulo para visitar o “tio Celso”. Minha mãe rapidamente exclamou: “Não vai lá, não! Ele é gay e está com o namorado!”. Eu deveria ter entre 11 ou 12 anos e o conceito “gay” já era algo levemente compreensível, no sentido de que duas pessoas do mesmo sexo se namoravam.

Em seguida respondi: “Mãe, mas eu gosto dele”. Em sequência, minha mãe logo responde: “Está bem, vai lá então mas não precisa ficar muito”. Lembro de ter ido e naquele dia algo veio para o consciente, de reparar um pouco mais no tio Celso, os trejeitos, as roupas que vestia, o jeito do namorado e, assim, foi o começo da minha compreensão de mundo real de que como poderia ser o gay.

Sei que me deparei atraído pela figura masculina de maneira consciente por volta dos 8 anos, antes mesmo de notar o tio Celso ou outros “senhores” gays que frequentavam o condomínio. Lembro bem que numa brincadeira de “briguinha” com outro amigo, o incentivava a ficar rolando na cama comigo para que eu pudesse sentir seu corpo, a pele, o toque. Lembro inclusive de ter ficado excitado em uma das ocasiões. Tenho até lembranças mais antigas do que isso, talvez com seis anos de idade, em um mesmo contexto de “lutinha” com outros amigos.

Mas para mim isso não era ser gay ainda. Ser gay era o tio Celso que era meio afeminado e vestia sungas curtíssimas, ou aquele outro “senhor” que todas as tardes ficava caminhando e se exercitando pelo condomínio, quando minha mãe dizia que era filho único da vizinha e solteiro ainda.

Foi na praia que tive os primeiros contatos reais com o universo homossexual. No mais, era o seu Peru da Escolinha do Professor Raimundo.

4 comentários Adicione o seu

  1. junior38 disse:

    Republicou isso em É Difícil Ser Gay no Armárioe
    comentado: Oi, Tenho seguido o blog do mvg. Ele escreve coisas
    bastante interessantes. Ele resolveu publicar uma entrevista com
    temas muito pertinentes ao processo de autoconhecimento do
    homossexual. Achei interessante reblogar. Espero que gostem.
    Visitem seu blog e o sigam também! Um abc,

    1. minhavidagay disse:

      Obrigado pelos reblogs, Junior38!
      Abs, MVG

      1. junior38 disse:

        Achei super interessante a entrevista…. Fiquei na dúvida, se foi mesmo uma entrevista… kkkk Mas os assuntos foram bem abordados, e, penso que será interessante para quem acessar o blog…. afinal, os posts falam de temas pelos quasi todos passamos, não é mesmo?
        Um abraço.

      2. minhavidagay disse:

        Oi Junior!
        O Caio escreveu as perguntas e me mandou por e-mail! Eheheh

        Abs,
        MVG

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s