MVG fala como foi se dar conta da própria homossexualidade – Parte 2

Entrevista realizada pelo leitor Caio

Caio: Como se deu o processo de autoconhecimento da sua homossexualidade? Qual foi sua reação ao começar a entender que seus sentimentos não eram apenas uma fase e o que fez para se “aceitar” como é, inicialmente?

MVG: Não lembro bem do processo, mesmo porque para mim deva ter sido algo bastante inconsciente. O que lembro é da primeira vez que gozei. Estava assistindo Sessão da Tarde na Globo e era um filme de jovens, homens e mulheres lindos na praia (para você ver que minha iniciação sexual está muito relacionada ao mar – rs). Ejaculei vendo as mulheres e foi assustador ver tudo aquilo saindo do meu pau – rs.

A partir daí, superado o susto, passei a me masturbar constantemente no chuveiro. Curioso que tinha um tipo de dó de gozar e ficar imaginando aqueles milhões de espermatozóides se afogando ralo a dentro.

Tinha uns 13 ou 14 anos nessa época, não sei precisar de fato (se fora antes ou depois dessa idade), mas lembro que nas primeiras masturbações no chuveiro sempre fantasiava mulheres. Importante dizer que naquela época não tinha Internet e comprar revista pornográfica nessa idade, nas bancas, era praticamente impossível. Ou você tinha um irmão mais velho que fazia isso por você ou existia o estímulo do pai oferecendo revistas. No meu caso, nem um nem outro pois eu era mais velho, meu pai não me introduziu ao universo da sexualidade e nem me forçava ou cobrava nada a respeito.

Dentre as dezenas de masturbações no banheiro, começava a vir em minhas fantasias e pensamentos os amigos do ginásio! Fiquei bastante assustado com isso a princípio. Forçava a não imaginar amigos e sim amigas, mas não havia esse controle. Fui me acostumando a idealizar meus amigos no chuveiro porque não conseguia ser diferente disso, era o que eu desejava.

Depois, começava a reparar com intenções fortemente sexuais nos corpos dos meus amigos, nas “malas”, na estética geral e percebi que achava bonito mesmo a figura masculina. Os quadris femininos, as calças enfiadas na bunda, os seios, a falta de volume entre as pernas me pareciam muito sem graça.

Nesse processo, foi a primeira vez que questionei a mim mesmo: “será então que sou gay?”.

2 comentários Adicione o seu

  1. junior38 disse:

    Republicou isso em É Difícil Ser Gay no Armárioe
    comentado: Oi, A entrevista tem 4 partes. Eis a segunda…
    Aproveitem!

  2. Nussa… Achava que era um dos únicos que começou a idealizar primeiro as mulheres…
    Mas diferentemente de você, não idealizava os meus amigos (só depois de 3 anos, quando tive minha primeira paixão platônica), tive acesso pela net por pornografia e, por curiosidade, decidi ver o primeiro vídeo gay da minha vida.

    Pronto! Não deu outra! Direto no banheiro pensando naquelas putarias. Era, e é, tão bom…

    Abraços do CR!!

Deixe uma resposta