Relato gay – A história de P.D.

Olá meu caro, sou o “PD”, tenho 21 anos.

Primeiramente o parabenizo pelo seu blog, conselhos e acima de tudo humanidade.

Vamos a história:

Me considerava hétero até março deste ano. Sempre tive relação hétero, já tive duas namoradas, sendo que a última, sofri uma grande decepção. E ao entrar na faculdade, conheci um garoto e acabamos nos tornando “amigos”. Foi incrível. Na primeira aula foi com ele quem falei primeiro. A simpatia foi recíproca. Nesta aula, a professora pediu pra sentarmos em círculo, e adivinha, ele sentou bem colado a mim. Ali mesmo senti uma coisa estranha, mas tava confuso, não sabia definir meus sentimentos naquele momento, só sei que me senti em paz, muito bem perto dele. Esclarecendo que ele é um pouco delicado, mas não aquele gay espalhafatoso. Se veste normal e tal.

Então depois desse dia, nos cumprimentávamos e tal, porém, nada tão intenso. Até um dia que ele se ofereceu pra me ajudar num trabalho. Dali em diante comecei a admirá-lo inexplicavelmente. Ele sempre quis se aproximar de mim, mas tinha medo de rejeição por ser gay. E eu supostamente hétero, ninguém suspeita.

Então insisti, insisti, até que comecei a ganhar levemente a confiança dele. Mesmo assim, admito que ao mesmo tempo, não aceitava o meus próprios sentimentos, mas era mais forte que eu. Ao mesmo tempo que tentava me afastar, sentia necessidade de me aproximar. Eu mesmo me questionava: será que é amor ou pena por ele ser como é? (quanta ignorância de minha parte não?).

Enfim… começamos a desenrolar mesmo pelo Face, até que nossa cumplicidade cresceu. Ficamos mais íntimos, trocamos telefone e tudo, comecei a contar uns problemas pra ele, e ele com maior carinho do mundo, me aconselhando em poucas e intensas palavras. E comecei a notar que ele realmente passou a me olhar com carinho. Um dia nós dois conversando, ele me olhava com tanto brilho, um que jamais alguém me olhou, um brilho de fascínio. Minha vontade aquele dia foi abrir o jogo, mas o medo foi maior que tudo.

Depois disso, um dia fui o cumprimentar e ele esfregou meu braço acariciando-o. Coisa que também nunca nenhum “amigo” fez antes. E uma amiga minha diz que ele é a fim de mim. Que ele não sorri pra ninguém como sorri pra mim, que ele me olhava discretamente quando eu estava distraído. E o que mais dói é que a maioria das pessoas não gosta dele e essa amiga disse que jamais conseguiria me enxergar com um homossexual mais delicado, que não tem a ver comigo. Que ele é uma gazela desconjuntada e tal.

Isso me tortura e me machuca, sabe? Certa vez também, saímos com mais um amigo e amiga, ele fez questão de sentar perto de mim, com tantos outros lugares perto, e depois da reunião lá, foi cada um pro seu lugar. Ele andou um percurso comigo pois era o mesmo caminho; e ele conversando comigo fez questão de se encostar em mim e andar bem juntinho, sabe?

Essa coisas me intrigam, essas atitudes. Olhei ele intensamente pra ver se ele notava que eu realmente me interesso por ele.

Terminamos o semestre e ele se formou. Mas continuamos nos falando pelo Face. Em certas conversas ele diz que gosta de mim de graça. Me chamava de meu caro, querido. Acho muito carinhoso. Sinto sinceridade sempre nas palavras e atitudes dele. Eu o acho extremamente desacreditado nas pessoas, pelo o que ele me fala. E sinto que ele, em passos leves, está começando a confiar em mim. Não tanto quanto eu gostaria, mas é aquilo: cada um é cada um e cada qual é cada qual. Ele deve ter seus motivos pra ser restrito e reservado assim. Só me disse que teve decepções.

Só que determinadas atitudes dele me magoam. Por exemplo: quase sempre sou eu que tenho que puxar papo e pela pressa que ele responde, parece que espera sempre por isso. Procuro elogiar e agradá-lo sempre. Me interesso sempre pelas coisas dele e tal.

Sabe, eu estou totalmente perdido no que fazer. Se me afasto de vez (vou sofrer demais, mas se não tem remédio). Se fico só na amizade e sofro até o limite ou se numa oportunidade não muito longe falo à verdade. O que não entendo é se ele tem interesse, por quê não fala a verdade comigo?

Só sei que estou sofrendo muito, jamais me imaginei passando por isso. É uma situação desesperadora, não o tiro da cabeça, do coração. Queria abraçá-lo, poder dizer que quero ele perto de mim, quero protegê-lo, ser a cara metade dele. Queria tanto ter controlado esse sentimento, ou melhor, não ter o tido. O pior é minha aceitação diante disso.

Como explicar a minha família que eu virei a casaca assim? Ou viver um romance às escondidas? Combinamos de sair juntos pra passearmos assim que tivermos tempo. Dependendo, vou ver se me abro. Só não tenho coragem de expor isso as pessoas.

Elas sequer imaginam dessa, digamos, “falha” que possuo. Meu outro medo é de estar fazendo ele sofrer. Me pergunto: será que ele realmente enxerga que eu aceitaria algo mais que amizade com ele? Ou será que não nota isso? Será que eu o faço sofrer se realmente ele gosta de mim e não percebe que eu também gosto dele?<

Meu amigo do blog, me ajude, me aconselhe. Não posso abrir isso pra ninguém.

Grato pela compreensão. E espero que me ajude.

Grande abraço!

MVG:

Oi PD!
Tudo bem?

História bela a sua.

Não sei se você é gay, heterossexual ou bissexual. Esses rótulos na maioria das vezes nos encapsulam e subentendem dezenas ou centenas de comportamentos para nos auto-afirmar socialmente. A sociedade nos cobra e para nos “localizar” nos sentimos obrigados a corroborar com esse ou aquele segmento. Não vale a pena ficar devaneando muito sobre esses conceitos agora pois, a mim, o sentimento que você está vivendo deve se fazer valer em primeira instância.

Repare no seu sentimento, PD, releia o relato que você me registrou por e-mail. Existe uma paixão muito evidente nas suas palavras e da maneira que você se expressou – se não for pegadinha (rs) – é claro que esse assunto deve ser colocado em pauta entre você e seu amigo.

Não se prenda as opiniões de sua amiga, nem se ele for mais delicado ou você masculinizado, nem sobre revelar ou não para a sua família para ter que viver conflitos com modelos e expectativas. Eu sugeriria você se olhar e olhar seu contexto sem pensar em orientações, sexualidades, gêneros ou formas de se expressar. Existe um sentimento que está acima das nomenclaturas.

Definitivamente, não acho que importa agora você saber se é gay ou heterossexual, se vai ter que confirmar a família que “virou a casaca”, se vai ter que viver um relacionamento escondido ou sabe-se lá o que mais de condições existem para que você libere o que está sentindo. Desculpe, mas isso tudo é fuga.

Ao mesmo tempo, não acho que – ao revelar – você tem que obter uma garantia absoluta de uma reciprocidade, sabe? Só a autenticidade dos seus sentimentos, se expressados, já valerão muito a pena. O amor, a paixão, precisa ser mais expressada do que correspondida. Em certa medida, é isso que colore o mundo. A mídia já explora demais as negatividades das coisas: são crianças morrendo com gás letal na Síria, é o desastre no meio do trânsito que a gente teima em dar uma espiada, são os reacionários que infestavam as passeatas há alguns meses atrás… tudo isso dá audiência, nos hiptoniza como a luz de uma vela, mas nos envolve de negatividade. A vida é um punhado, mas muito mais do que isso. Não perca muito tempo com o lado vazio do copo nem se engane achando que considerar tudo isso o torna realista. Realidade é a maneira que fazemos nosso próprio mundo, é a maneira como queremos enxergar as coisas.

Tem coisa mais positiva, vibrante e espiritualizada do que exteriorizar um sentimento de paixão como você tem sentido? Essa emoção é rara e não deve ficar presa as “quatro paredes” de você mesmo.

É muito difícil para um gay (ele) que se aproximou de um “atual hétero” (você) abrir o jogo e confirmar que existe algum sentimento mais forte. Isso também é resultado, refração, consequência, da condição social que existe hoje no Brasil. Existe ainda uma tênue mas resistente barreira entre o indivíduo homossexual e heterossexual. Não temos como fugir desse bloqueio.

Mas, lançar uma “bomba” da paixão para entrar nos ouvidos do rapaz, ser visto com os olhos, é algo necessário e geral. As pessoas estão precisando mais disso. As pessoas precisam emanar disso ao invés de ficar a espera. Quando o sentimento é profundo, verdadeiro e foge das banalidades das maneiras que corriqueiramente nos tratamos, é nobre, exclusivo e tem uma energia positiva sem tamanho. Tem coisa mais bela do que a autenticidade do seu sentimento sem precisar ficar exibindo ou afirmando para a sociedade?

Por fim, deixo aqui um vídeo daquela banda pouco conhecida cujo líder sempre reforçou: “tudo que a gente (você) precisa é amor”.

Seja simples com você mesmo.

Abs,

MVG

15 comentários Adicione o seu

  1. amigo disse:

    Caro amigo,estou vivendo um dilema,sempre reprimi meus sentimentos por razoes familiares e religiosas,nao sou assumido mas esse ano resolvi ceder aos meus impulsos,recentemente conheci um homem de trinta e um anos na sala de bate-papo,ele ja me deixou bem claro que nao quer nada serio,eu estava a nove anos sem sexo pois tinha medo de me entregar,eu nunca fui do tipo de sexo,quando estou com ele nao sinto nada,fazemos de tudo,eu sou uma pessoa extremamente insegura,gosto dele mas sei que nao e amor,nem paixao,mas so o fato de ser possuido por ele me deixa bem,mas como o conheci na sala de sexo acho que posso ser traido as escuras,eu ja disse a ele que so fico com ele,mas nao sei se ele faz o mesmo comigo,estou gostando dele demais,so que a minha inseguranca e o medo de ser substituido me deixam muito mal.Sera que ele sente algo por mim alem do sexo?!.Sempre sonhei com um grande amor,tipo filme nunca fui beijada,mas tenho muitas insegurancas,nao queria viver so o sexo,mas tambem nao queria ficar sozinho.
    Obrigado .

    1. amigo disse:

      Eu tenho 24 anos,mas tenho muitas incertezas do que sinto e do que me permitiria fazer,mas nao quero sofrer por ele,ele curtir minhas postagens no facebook,ele que fala comigo primeiro no face,mas eu nao estou conseguindo manter a frieza e nao ter sentimentos de carinho e afeicao por ele,e por isso nao sei o que fazer,nao quero criar expectativas e depois ficar sofrendo,no fundo acho que ja sei a resposta,mas nao quero admitir pra mim mesmo.

  2. Caio disse:

    Olha D.P, em relação ao seu caso eu vou ser mais direto e passar meu ponto de vista, ou seja, é o que eu faria, mas pode não ser o mais adequado para você (ao menos ajudará a refletir sobre). Eu detesto essas situações que nos envolvemos com alguém, seja por desejo momentâneo (relação sem compromisso) ou paixão que vira amor com o tempo, em que nota-se que ambos querem, mas pela timidez ou pelo ambiente ou pelo que for ninguém toma a iniciativa com medo de quebrar a cara. Sabe é uma enrolação, uma perda de tempo e eu já fui muito assim. Mas mudei um bocado e quero mudar mais ainda. Quando eu vejo uma oportunidade dessas eu me deixo seduzir e caso o outro demore muito, mas eu perceba que ele quer eu vou para cima rsrs. Muita gente deixa de vivenciar grandes prazeres e emoções fortes por bloqueios toscos. Então, no seu caso eu chamaria ele para conversar ou só para sair e fazer algo no parque, shopping ou local mais reservado e no meio do papo abraçaria ele forte e já daria um beijo gostoso no pescoço pra deixar ele amolecido e aí muito provavelmente ele cederia e deixaria rolar um carinho também. Isso seria melhor do que mil palavras que ao invés de juntar podem até afastar quando ditas de maneira direta.

    Mas claro, você deve se preparar psicologicamente antes para o caso de uma esquiva dele. O que ao meu ver seria muito estranho, pois pelo que li ele gosta muito de você. Eu já fiquei meio constrangido em certas situações, mas passa em pouco tempo e você diz para si mesmo: pelo menos eu tentei, pode não ter dado certo, porém não foi por falta de força de vontade.
    Podemos ser pessoas diferentes, mas eu consigo seguir em frente sem me lamentar demais caso o que eu queria falhe. Tenha coragem e confie em você mesmo, se não houvesse tamanha atração, você até já poderia esquecê-lo, mas a realidade é diferente. Ah e siga o que você deseja, aos poucos se tudo der certo os agregados: amigos, colegas, familiares poderão se acostumar com o relacionamento. :)

    Grande abraço.

    1. Um chero no cangote!
      É tão bom dar e receber um!!

      Só queria comentar que achei legal isso que você faria (mentira, só pra dizer que chero no cangote é o que há. Sqn).

    2. D.P. disse:

      Poxa Caio, muito obrigado pela força. Gostei muito de seus conselhos. Senti sinceridade, e não escreveu por escrever. Vou segui-los. Eu marquei de sair com ele, só nos falta tempo e combinarmos. E ele aceitou de primeira. Agora enquanto isso, respirarei fundo e me prepararei para abrir o jogo.
      Grande abraço e que Deus o abençoe!

      1. P.D. disse:

        Poxa Caio, muito obrigado pela força. Gostei muito de seus conselhos. Senti sinceridade, e não escreveu por escrever. Vou segui-los. Eu marquei de sair com ele, só nos falta tempo e combinarmos. E ele aceitou de primeira. Agora enquanto isso, respirarei fundo e me prepararei para abrir o jogo.
        Grande abraço e que Deus o abençoe!

  3. sethrms disse:

    PD Cara…tá mais que evidente que seu amigo gay é apaixonado por vc,o grande problema do gay que se apaixona pelo amigo heterossexual(pelo menos supostamente),é que ele nunca sabe se ele tem oportunidade com ele,o que é mt ruim,ele deve tá numa dúvida terrível,axo que nesse caso acaba que a responsabilidade de abrir o jogo de que vc ta apaixonado por ele é vc,já que ele é evidente que é gay e está disponível pra ter algo com vc,resta vc deixar isso claro tbm,se eu fosse vc eu escolhia um dia pra sair com ele sozinho e me declarava pra ele,dizia tudo que eu sinto e depois disso deixava rolar.Se tu não tiver nada com ele vai viver o resto da vida pensando no que poderia ter sido,e não o que foi…..

    1. P.D. disse:

      Poxa, muito obrigado! Vou seguir seu conselho, já to quase 100% preparado pra abrir o jogo. Pensei até em fazer pela net, mas tornaria uma situação fria. Tem coisas que tem que ser ditas pessoalmente. E vamos marcar de sair. Eu vou me encorajar e dizer tudo a ele.
      Obrigado pelos seus sábios e dedicados conselhos.
      Abraços!

  4. Hehe, eu to vivendo em um atual momento em que eu to discordando de toda essa especificação que nos dão e que escolhemos.
    É até engraçado, pois não me considero mais como gay, nem bissexual e nem hétero. Estou apenas amando a mim e compartilhando o carinho com quem convive comigo.
    Convenhamos, toda forma de carinho é boa, todo mundo gosta, não importa de que gênero venha.

    To falando tudo isso só para comentar que gostei de uma coisa que você disse mvg: Não importa se definir como homo, hétero ou bi. Dê atenção aos seus sentimentos.

    Achei esse relato bem interessante justamente por isso.

    Em fim…
    Abraços do CR!!

  5. Fenix disse:

    Bom….,penso da seguinte forma,o amigo PD,deve ter muito cuidado para nao machucar o seu futuro pretendente,pois se ele teve chances de ficar a sos e se declarar,por que agora fazer isso?!,na cabeca do amigo,isso pode ser interpretado de outra forma,mas sempre achei que a sinceridade e a base de tudo,li outras enquetes e o que me fez refletir em ter um relacionamento,nao e fato de voce ter uma pessoa do seu lado,as vezes sera que isso nos bastaria?!,primeiro devemos nos conhecer,depois se estivermos abertos e maduros o suficientes pra dividir um relacionamento,ai vale a pena.

    1. P.D. disse:

      Fênix, nunca tive oportunidade de dizer isso pessoalmente, totalmente à Sós. A maioria dos lugares eram cheios e causavam desconforto. Esse dia que pensei em contar foi na facul (cheia de gente) porque ele me olhou muito naquele dia. Mas jamais vou o machucar. É a pessoa que mais quero bem no Mundo.
      Abraços!

  6. Dodi disse:

    Bela história, torço pra um desfecho feliz!
    Também já fui hétero e acho que tenho um pouco de bagagem para te dizer que, estamos condicionados a namorar, casar, referências familiares monogâmicas… Mesmo que ocorram traições, desentendimentos e decepções, quem não arrisca a amar e ser amado não pode dizer que é forte o bastante.

  7. pai gay disse:

    se joga rapaz! aproveita !

  8. Byanu Macedo disse:

    Vivo em uma situação assim

  9. Axel disse:

    Qual foi o resultado final? ficou com ele? Te desejo que sim.

Deixe uma resposta