Relato gay – Mais um para a “comunidade”

Antigamente costumava-se dizer: “todo homem deve plantar uma árvore e escrever um livro durante a vida”. Pois bem, considero a minha “árvore” a empresa a qual venho adubando e colhendo frutos, tudo há 13 anos. O livro é o próprio MVG cujas reflexões, críticas e opiniões sobre diversos assuntos que circundam a vida de um gay estão aí para funcionar de referência para quem se interessar.

Para essa frase, diria ainda que hoje, com o terceiro setor estabelecido e ong’s e instituições consolidadas, todo homem deveria também exercer uma função social (da ajuda a pelo menos um próximo sem visar ganhos), principalmente em terras brasilis que, como bem conhecemos, fomenta a longa data uma cultura latino-classista. E não é porque – agora que sou descendente de japonês – também não fui criado sob os mesmos fundamentos dessa nossa sociedade tupiniquim.

O Blog Minha Vida Gay foi ganhando contornos desse meu “livro”, com quase 500 posts hoje. Poderá sim, no futuro quem sabe, virar um livro, daquele que não tem necessariamente uma leitura linear: abre-se aleatoriamente uma página e lê-se a mensagem para o dia. Quem sabe.

O “livro” MVG, pelas facilidades e qualidades do meio online, me aproximou de três leitores há um pouco mais de um ano e, agora, de um quarto.

No final de semana conheci o “Hey” que por trocas de e-mail me senti a vontade para uma nova aproximação. Tenho assumido esse propósito social e – quando me perguntam por que eu faço isso – eu costumo repetir a ideia: “nos tempos de hoje, todo homem precisa ajudar a vida de pelo menos um indivíduo, sem pensar em lucros”. A fundo, derivado do meu subconsciente, não sei se espero alguma retribuição. Aparentemente não há, a não ser também um crença que repito: “sabe quando o Cristianismo diz que é dando que se recebe? Nisso ele tem razão. A sensação que tenho é que ajudando pessoas, na medida das minhas capacidades e disponibilidades, a própria vida retribui de alguma maneira”.

Como a maioria dos leitores sabem, acredito em Deus e faço uma mescla de religiões para regar minha fé. Da cristã, acredito bastante no “plantar o bem e colher o bem” e o oposto também se procede. Crença, fé e é nisso que acredito.

Quando conheci os “três mosqueteiros” da primeira vez, esses ideais não estavam tão definidos ou elaborados. Diferente de quando conheci o “Hey”, já com a experiência como telespectador (e alguma tutoria) junto com os três.

A amizade, certamente, já é uma retribuição e confesso que acompanhar meus “discípulos” em seus vôos me enchem de prazer. Sei que há flores, sei que há espinhos, mas isso é viver.

Como “trabalho voluntário” e sem fins lucrativos não consigo abraçar todos que poderia (ou gostaria). Mas os registros do MVG e a troca de e-mails com alguns funcionam um pouco para isso. Talvez, quem sabe, estruture uma ONG com os fundamentos do próprio Blog mais pra frente. Apenas ideias de quem vive um espírito empreendedor quase que incansável.

Começo o ano de 2014 bastante disposto a isso: a ajudar a quem me recorre. Não consigo responder a todos os e-mails (que normalmente são imensos! rs) por dois motivos: (1) são assuntos recorrentes e que já têm correlações e referências no Blog, basta procurar e (2) tempo. A seleção parece um pouco injusta, mas sou apenas um. E estou de alguma maneira apoiando quatro. Acho que já é alguma coisa!

Ao mesmo tempo, sempre reafirmo aqui que não sou psicólogo nem filósofo de formação. Mas tenho uma vivência que pode ser repassada pela base da amizade, o que não desqualifica esse “projeto”. Acho que todos, de alguma maneira, estão aqui nessa Terra para expandir as próprias mentes.

Outrora e naturalmente tentava ajudar – nesse sentido MVG – alguns amigos que conhecia na vida. Mas mamãe sempre bem disse: “só dá para ajudar aquele que quer ser ajudado”. Assim, mais um motivo para ter essa porta aberta por aqui. Quem acha que precisa recorre.

Notei que muitos dos leitores que encontram o Blog, passam meses ou anos o acompanhando e só se manifestam depois (quando se manifestam). Claro, estamos falando de um assunto tabu e de certa forma é até confortável ler a intimidade exposta do outro (eu) e não expor a própria que – em nosso imagiário – é tão difícil, estranha ou complicada. Sei bem que “ser gay” pode ter um tamanho de um mamute. “Ser gay” pode nos fazer pessoas antissociais, caladas, reativas a exposição de nossa intimidade e por aí vai, do tamanho do mamute que cada um consegue aguentar.

A ideia aqui é deixar do tamanho de uma formiga. E dá. E depende mais de cada um do que do próprio MVG.

Mas todo esse post acabou virando um exercício do meu ego. Não é esse o propósito.

Guardem apenas o começo: “todo homem deve plantar uma árvore, escrever um livro e – na realidade dos tempos atuais – buscar ajudar a vida de pelo menos uma pessoa que não se tenha vínculo até então. Sem fins lucrativos”, sem necessariamente estar envolvido com uma religião.

A mim vale a pena, o que faz a minha alma ser menos pequena.

5 comentários Adicione o seu

  1. Fernando Lima disse:

    Oi MVG,

    Conhecê-lo foi muito importante!
    Suas observações e conselhos sensatos foram fundamentais para que eu enxergasse a homossexualidade de forma mais leve, o que tornou a minha existência bem mais suportável.
    Posso, sem exagerar, dizer que a minha vida se divide em duas partes AMVG e DMVG, antes e depois do MVG, tal tem sido a influência de nossos papos na minha maneira de ver a vida!!

    Amigo, muito obrigado!

    Fernando

    1. minhavidagay disse:

      Oi Fernando!

      AMVG e DMVG é boa – rs

      Um abraço e agradecido,
      MVG

  2. lebeadle disse:

    Querido, muito bonita a exposição. Me toca particularmente a questão do e-mail imenso – muitíssimo obrigado por ter lido e comentado – e do mamute.

    PS: Irmãozinho, onde foi parar a postagem que eu estava te falando do negócio do HSH, procurei e nada. Foi comida pelo gato?

    1. minhavidagay disse:

      Eu não deletei nada, Le Beadle! Tem de estar onde você postou – rs.

      1. lebeadle disse:

        Eita tá lá mesmo, é que deu um pau aqui na máquina e apagou ontem, mas hoje tô visualizando. Valeu!

Deixe uma resposta