Relato gay – Um sonho em Paris

Retomando os relatos dos leitores esse ano, começo com a história do Gabriel, que estava em Paris e teve bastante estímulo aqui, no “Minha Vida Gay”, para seguir com sua homossexualidade. A pegação foi forte! :P Mas eis um jovem gay formando sua experiência como tal.

Relato de Gabriel:

Oi MVG,

eis um breve relato, retratado detalhadamente, de um dia 29 de janeiro que entrará para a história da minha vida.

Tudo começou no domingo passado, quando, finalmente, consegui ir a uma boate gay no Marais, o distrito GLS de Paris. Estava sozinho e por isso não bebi muito, mas mesmo assim a noite foi repleta de aventuras. Assisti a um show de gogo boys dançando no chuveiro, onde absolutamente tudo era mostrado. Vi uma lésbica mostrando os seios para homens gays na boate, um casal de brasileiros que na verdade nem sequer era um casal e muitas outras coisas que só poderiam ser verdadeiras em uma sociedade genuinamente liberal como a francesa.

Já estava no terceiro bar e pensava que ficaria no zero a zero, quando conheci um homem, brasileiro e mineiro de Belo Horizonte, que logo ao primeiro olhar me interessou bastante. Era exatamente o tipo pelo qual eu mais sinto atração: corpo peludo, rosto másculo e sensual, uma barriguinha saliente e uma barba gostosa na cara. Porém, pensava que não se atrairia por mim, que sou magrelo, pelado e sem músculos.

Eu estava errado.

Logo quando estávamos prestes a sair da balada, ele, que havia se engajado em boas conversas comigo, me puxou para um beijo gostoso e molhado, que me deixou com os cabelos em pé e gosto de quero mais. Ele queria sexo e apesar deste também ser meu desejo, não podia deixar de voltar a minha casa. Trocamos celulares e deixamos para mais tarde, na quarta-feira, antes que eu voltasse para o Rio.

Após dois dias sem nos vermos, combinei de me encontrar com ele em sua casa. Meu coração batia forte ao me dirigir para lá e o nervosismo tomava conta, pois o conhecia bem e não tinha como saber o que ele faria comigo. Ao chegar, me recebeu na sala, vestindo uma sexy camisa pólo e conversamos um pouco, mesmo eu já sabendo as intenções dele desde o início. Foi só quando já não tinha mais como esperar que fomos para seu quarto.

Nus, pela primeira vez senti na pele o corpo de um homem adulto. Ele era um furacão, que, mesmo aos 36 anos, tinha a mesma agressividade sexual de um garoto de 20. Rolamos e nos acariciamos como loucos e eu sentia sua estrutura de macho em minhas costas, meu peito, minha boca. Finalmente, sem pedir minha permissão, me colocou em uma posição de cabeça para baixo, levantou minhas pernas e me penetrou. Devagar, depois tirou tudo, depois entrou novamente, ate preencher totalmente meu “espaço”. Confesso que demorei muito tempo para sentir prazer. A dor era imensa, mas eu resistia, pois não havia ido ali para desperdiçar a chance. Por fim, já no meio do processo inevitável do orgasmo, o tesão tomou conta, o suor escorria do meu corpo e do dele também. Eu ria e gemia como um idiota, até que finalmente ele tirou a camisinha e gozou sobre meu corpo.

A partir daí, passei a tarde na casa desse homem lindo, transando até no chuveiro e sendo tanto ativo quanto passivo. Quem diria, perder a virgindade em ambos no mesmo dia! Digo isso porque, mesmo já tendo transado antes uma vez, meu parceiro era inexperiente como eu. Desta vez, me encontrei intimamente com o primeiro “deus grego” da minha vida.

A melhor parte foi quando, após todas as transas, nos deitamos na cama nus e conversamos por um bom tempo. Comparamos momentos diferentes da vida gay, a necessidade de sair do armário, problemas familiares, as primeiras experiências homossexuais de cada um. Compreendi, finalmente, que vale muito a pena amar e compreender outro homem, e mesmo nos conhecendo há pouco tempo, tivemos um momento tão íntimo que sinto como se tivesse achado uma alma gêmea. Uma alma gêmea gostosa, peluda e pirocuda rs

Enfim, é isso. No final nos despedimos e fomos embora. Ele mora em Paris mas viaja ao Rio com freqüência, então provavelmente iremos nos ver novamente, em algum motel. Foi apenas o começo de mais uma historia, um rolo, uma paquera, mas que valeu – e como – a pena. Contei para vários amigos, e acho que você, MVG, que tanto me ajudou com suas mensagens de incentivo, merecia saber disso. Você me ajudou a ter confiança para encontrar o prazer onde eu menos esperava, e agora eu te agradeço, meu oriental sexy e simpático, por tudo isso e muito mais.

Como lembrança eterna deste dia especial, vai ficar esta música, composta nos anos 80, que traduz perfeitamente tudo aquilo que senti enquanto me abraçava ao corpo nu do meu primeiro amante.

Um beijo,

Gabriel

10 comentários Adicione o seu

  1. Gabriel disse:

    MVG, ver este relato aí, na íntegra, ta me deixando encabulado rs eu nem esperava que você fosse transcrever td, e sim apenas fizesse um texto comentado do que eu te enviei, citando meu nome, oque eu passei em paris e suas reflexões sobre o assunto rs. Q bom que você gostou, mas uma exposição assim ta um pouquinho acima do que estou acostumado rs.

    Enfim, agora n tem mais volta. Deixo o recado pros demais leitores, para aproveitarem a vida gay enquanto puderem, pois ela é curta e difícil as vzs, mas após fazer amor, tudo vale a pena. E tenho dito rs

    Ate minha próxima experiência então haha

    Gabriel

    1. minhavidagay disse:

      Puxa Gabriel!

      Eu imaginava que você tinha me entendido: transporia seu relato na íntegra, ahahah.

      Bem, você é apenas um nome por aqui. Nem eu sei de sua fisionomia, mas nada do que você fez com o Brasileiro em Paris é assustador para quem já vive a vida gay.

      Pode dar uma apimentada na imaginação dos leitores que ainda estão na fase de apenas imaginar (rs).

      Bem, se você quiser, retiro! Me diga…

      Bjo,
      MVG

      1. Gabriel disse:

        Bom, vc n sabe minha fisionomia, mas ao menos conhece a cor de meus cabelos rs eu posso até te enviar uma foto privadamente, se você desejar

        O problema não é o fato do relato ser íntimo e pessoal, e sim dele conter palavras explícitas que descrevem o sexo. Nem tds os leitores são ativos sexualmente, e muitos são bem mais novos do que eu, então isso pode impressiona-los um pouco, e até deixar com um pouco de inveja rs

        Quanto a remoção, deixe aqui. Depois dos posts sobre o sammy e o Fernando lima, você acha que eu perderia meu momento de glória? Eu to adotando ser o centro das atenções, ter uns 15 minutos de fama aqui rs A vida inteira eu li contos eroticos, e ontem chegou a hora de criar o meu haha

        Abraços (sem beijo dessa vez, já enjoou)

        Gabriel

      2. minhavidagay disse:

        rs… está bem Gabriel! Tem seu espaço no MVG então.

        Bjo,
        MVG

  2. Caio disse:

    kakakakakaka ” preencheu meu espaço”. Começou a sessão privê XD.
    É isso aí Gabriel, aproveite bem, a vida pode ser maravilhosa bem como a vida de um gay também. Em geral os tios são mesmo de tirar o fôlego, espero que apareça outro em minha vida parecido com aquele com que tive uma experiência como a sua.

    1. Gabriel disse:

      36 anos já virou tio? Coitado do próprio MVG rs. Pra mim até 50 ta no pique, no século 21 a velhice já começa mais tarde. A experiência q eles tem faz a diferença!

      Valeu,

      Gabriel

      1. minhavidagay disse:

        Orra, partiu pra ofensa, Caio! Kkkkk

  3. Caetano disse:

    Caralho e fiquei de pau duro com essa história kkkkkkkkk adoro esses contos, pra mim é melhor que filme que você começa a imaginar, porque o que fica é a situação e não os personagens.

    Parabens Gabriel espero que reviva mais uma história com ele e por favor não venha com frescuras e faça outro relato semelhante. :D

  4. lebeadle disse:

    Poesia pura anjo Gabriel; me fez lembrar de uns filmes que vi quando você falou em Le Marais e Paris. Especialmente esse:

    1. Adônis disse:

      Que sorte! Estava procurando loucamente este curta para revê-lo, depois de ter assistido e não guardar o nome! Obrigado ?! rsrs

Deixe uma resposta