2 comentários Adicione o seu

  1. Bohrer disse:

    Já escutei varias vezes que o correto é ensinar ao indivíduo a “pescar” e não entregar o “peixe”, mas são poucas as pessoas que conheço que tem a vontade sem segundas intenções de ajudar o próximo e que doam seu precioso tempo para a realização de tal ato. Quando o ser humano parar de olhar apenas para o seu próprio umbigo e ver que tem certa “responsabilidade” pela vida do próximo, pois suas ações ou a falta delas podem nem que seja mostrar uma nova perspectiva sobre determinado assunto. Teremos em fim um lugar ao sol, graças a todas as andorinhas que mesmo sozinhas acreditaram no verão.

    A Intenção em si deste comentário pode se resumir em uma palavra:

    OBRIGADO

  2. Gabriel disse:

    No ano passado, quando eu ainda não tinha a menor ideia de qual faculdade escolher, um professor bonito, inteligente e de bela voz chegou a nossa classe um dia, para seduzir-nos a escolher o curso de Direito da universidade que representava. Ele fez um longo e bem estruturado discurso sobre as qualidades da instituição, mas no final, o que ficou na minha mente foi a seguinte frase: “Voces são a elite desse pais, os 2% no topo da pirâmide social que estudam em colégios particulares na zona sul do Rio. Vocês tem tudo e podem tudo, mas exatamente por isso, a responsabilidade de levar suas vidas para os restantes e’ de vcs, e de mais ninguém. Vocês possuem o dever de mudar este pais.” A partir desse momento, minhas duvidas sobre qual faculdade escolher se extinguiram.

    Ja nesse ano, enquanto estudava sociologia e a formação do pensamento intelectual brasileiro, conheci a figura de um dos nossos maiores lideres comunistas, Caio Prado Junior. Ele nasceu filho de ricos barões de cafe, em uma família tao abastada que, se desejasse, poderia não mais trabalhar e viver do dinheiro da família a vida inteira, apenas gastando com festas e presentes caros. Quantos trabalhadores não escolheriam fazer isso, se pudessem? Porem, Caio surpreendeu a todos ao escolher o caminho da igualdade de classes. Ele não era um “esquerda caviar”, que fingia simpatizar com o socialismo para obter admiração e prestigio: foi preso varias vezes, desonrado pela própria família, e utilizou o dinheiro que possuía em favor da causa operaria, criando um jornal (muitas vezes fechado pelo governo) de circulação das ideias socialistas. Quando ouvi isso, pensei em como uma pessoa rica pode pensar de forma contra intuitiva. Esse homem não se importava com o fato de ter de entregar seus bens aos pobres? Não ligava que não consumiria tanto quanto antes, caso tivesse sucesso em seus objetivos? No que ele pensava?

    Seu post respondeu minha pergunta: no outro.

    Vivemos em uma sociedade ego centrada e que, por meio da propaganda, induz o indivíduo a pensar apenas em si. Não se deseja o bem para todos os membros da sociedade, mas apenas aqueles da mesma classe social e que possuam o mesmo nível de vida que o seu. Essa doença afeta a todos o Brasil, do rico ao pobre, e pode ser comprovada pela oposição de moradores abastados a expansão do metro para suas regiões. Pobres entrando em bairro de rico? Um ultraje! O lugar deles e’ na favela, sem esgoto e sem escolas. O mesmo vale para as cotas.

    Por isso, mesmo criticando as criticas de Lula a “elite branca”, pois afinal ele tambem faz parte dela, acredito muito ingênuo negar a existência dessa elite. Você não pertence a ela, assim como muitos outros brancos (e sim, quase sempre brancos) que começaram na pobreza e subiram de vida com o tempo. Mas ela existe, pois são famílias riquíssimas ha séculos, que mantiveram suas fortunas por meios ilícitos e lucram com a permanência da desigualdade social brasileira. E usam todos os artifícios possíveis para isso, como apoiar a ditadura, que se colocou e se manteve no poder, em graças a ela. Não interessa a essa elite o desenvolvimento da educação no Brasil, e ela nem sequer possui o habito da leitura e conhecimento, preferindo um estilo de vida hedonista. E o mais triste e’ que os pobres brasileiros incorporaram esse mesmo pensamento, e isso pode ser constatado ate na musica que faz sucesso entre a “classe C”, que cresceu por meio de programas assistencialistas do governo. Musicas de ostentação que defendem o consumismo e o status social a qualquer custo, mesmo que por meio do crime. O objetivo não e’ estudar e estender os benefícios do desenvolvimento a todos, mas apenas o lucro individual, rápido e fácil, com o mínimo de esforço possível. Ou você vai me dizer que essa dama se interessa pelo trabalho árduo em empresas que promovem cultura para poder comprar o que deseja?

    http://www.youtube.com/watch?v=utiNEz6IAkY

    Mas quem pode culpar essa “nova classe media”, se o pensamento que absorvem de nossas elites e’ exatamente esse?

    Por isso que sua forma de ver o mundo e’ altamente necessária, MVG. Se metade dos brasileiros tivesse sua ideologia, teríamos um pais diferente nas maos. Você dedica o que tem e conquistou ao sucesso dos outros, a abertura de portas para que os que não tiveram as mesmas oportunidades possam cruza-las. Poderia estar comprando relógios caros e carros de luxo, mas sua visão de mundo vai alem disso. Assim como a do Caio Prado Junior.

    Mais uma vez, obrigado, mas não apenas isso. Quero conhecer sua empresa e ver o que ela faz. Para tambem levar essa ideologia para minha vida, e mudar o destino não apenas meu, mas de todos ao meu redor.

Deixe uma resposta