Homens gays que mantêm amizade com ex-namorados

Ex-namorados que são amigos
Ex-namorados que são amigos

É bastante comum entre meninas, as “sapatonas”, ex-namoradas serem amigas, participarem da turma e, quase, criarem uma grande comunidade. Costumo brincar que, ao contrário do homem gay, as sapas vivem como um “organismo vivo” em pura simbiose! Em alguma medida eu invejava tal postura e sempre achei adulto e maduro preservar um relacionamento com o ex, quando possível.

Daí, não é raro, já ouvi bastante por aí que os gays que conseguem manter amizades e relacionamentos com ex-namorados são “gays meio sapatões”.

Na maioria das vezes, quando dois caras terminam um relacionamento, preferem nunca mais criar uma situação de encontro, a não ser pelo acaso. Talvez porque, normalmente, a maneira que um casal gay termina seja sempre mais intensa (com pouco diálogo e muitas acusações), as vezes com pinceladas de traição e, no momento que o homem é mais competitivo, notar que o outro “se dá bem” sem mais o namoro, enche o gay de egoísmo e orgulho.

Mas, como generalizar é sempre fácil, difícil é reconhecer algumas curvas fora da reta: existem homens gays (jovens ou adultos) que conseguem estabelecer boa relação com ex-namorados, inclusive, mantendo um contato de confiança e segurança caso uma (ou ambas) as partes esteja com um novo namorado. Daí, como a gente tem mania de por nome em tudo, o tal termo “gay-sapatão” se faz valer.

Eu sou um gay-sapatão assumido (rs), embora não tenha conseguido preservar um relacionamento com todos os ex-namorados (valeu a intenção). Antes de mais nada, devo dizer que considero namoro aquele relacionamento que passou de um ano (tempo que no meu ponto de vista é possível criar intimidade e conhecer melhor a pessoa que está ao seu lado). Assim, dos cinco ex-namorados (incluindo um ex-marido) consegui ser amigo de dois.

Está aí um “subconceito” informal do gay-sapatão! :D

Deixe uma resposta