Me sinto culpado por me masturbar pensando em homens

Masturbação com culpa. É comum acontecer isso na juventude de um gay?

O leitor Guilherme trouxe a mim seu depoimento e achei o tema bastante interessante. Sempre que surgem assuntos assim, específicos, lembro que não sou sexólogo nem psicólogo, mas apenas um blogueiro “metido” nas nuances da vida gay. Bom lembrar que é meu bom senso e minhas referências que embasam as reflexões!

Está aí o comentário do menino e em seguida minhas considerações:

“Olá, leitores e administradores do site.

Venho compartilhar com vocês um problema que eventualmente me incomoda. Eu tenho 20 anos e acho que desde sempre sou gay. O detalhe é que só depois de três anos na faculdade, morando longe da casa dos pais, tive coragem de ficar com outro cara (isso aconteceu há cerca de cinco meses). Sempre tive muita dificuldade em aceitar e lidar com isso. Me considero discreto e, por mais que minha família não seja extremamente conservadora, ainda tenho receio de contar para algum deles.

Porém, o que venho expor é o meu desconforto em relação à masturbação. Sempre que me masturbo vendo pornografia gay (sim, eu faço isso), me sinto “sujo”. Este foi motivo pelo qual acabo de vir parar aqui.

Já conhecia o site, lembro de tê-lo visitado em outras oportunidades, mas não me recordo se pelo mesmo motivo.

Enfim, gostaria de saber se há algum texto relacionado ao tema ou mesmo alguma dica que o próprio MVG, ou alguém possa me dar em relação a isso.

Obrigado!”

Comentários do MVG:

Lembro bem que com meus 11 anos tive a minha primeira ejaculação enquanto assistia “Sessão da Tarde” na Globo. Levei um tremendo susto quando começou a jorrar aquele líquido espesso esbranquiçado!

Ainda naquela idade, a minha caixinha me levava aos devaneios com meninas do ginásio. Meu pai ficava estressado pelas horas excessivas no chuveiro, sempre reclamando do gasto de água e de energia, antevendo – como bom engenheiro japonês – a importância da economia dos recursos naturais! rs

Mas foi num belo dia, na empolgação na hora do banho, que minhas fantasias criaram cenários na mente, materializando os meninos do colegial. Foi meu segundo susto relacionado à punheta. Me senti culpado, sujo.

O que quero dizer com isso, Guilherme, é que esse sentimento de sujeira tem muitos significados e depende de cada um. Pensando em possibilidades, para seu caso, eu diria que podem permear dois aspectos:

– Você canalizou a culpa por ser gay na masturbação. Quando digo “você”, me refiro ao seu subconsciente, de alguém que ainda não se aceitou bem como homossexual. Veja que 20 anos é bastante jovem e, apesar da juventude no geral estar cada vez mais precoce nas investidas sexuais, por sermos gays, tendemos a prolongar a nossa autoaceitação. Um menino e uma menina heterossexuais já têm certo “fardo” de se autoaceitarem na transição da infância para a vida adulta. Ou seja, já é esquisito para quem é hétero perceber a metamorfose que acontece dentro e fora da gente, da criança para o adulto. Inclua aí, nas esquisitices da mutação, o fato de sermos gays, quando a caixinha predominante (o modelo normativo) diz que a ordem é ser heterossexual. Pode ficar mais esquisito!;

– Muitos jovens, até heterossexuais, acham a masturbação como algo “sujo”. Existe, em alguns casos, um valor cultural (as vezes vindos de condições religiosas ou morais) que “bater uma punhetinha” é feio. É feio como tirar “caca de nariz”! Será então que o seu caso não está mais ou menos por aí?

É para você pensar.

Mas para agora, o que posso te dizer, é que você não é e não será o único a se sentir sujo por masturbar-se. Isso acontece com muitos jovens que estão sofrendo a metamorfose da criança para o adulto. Veja você que, além de as vezes eu, quando adolescente, me sentia sujo, eu tinha “pena” de ver meus espermatozóides escorrendo ralo abaixo! Pena! (rs). Ficava viajando nos milhões de filhos que estavam morrendo (rs).

Tente entender os por quês de você se sentir assim e mais: não se preocupe muito com isso. É mais comum do que você imagina e, normalmente, está atrelado a questões culturais. Quer sair dessa caixinha? Quer livrar-se dessa culpa? Entenda que bater “umazinha” é saudável, é humano e é natural. É isso que você é: saudável, humano e desvendando a sua natureza, seu corpo, seus desejos.

Se seus momentos de masturbação não estão tirando o foco do trabalho, estudo, relações sociais e outros afazeres importantes da vida, minha sugestão é a básica: “relaxa e …”. :)

Um abraço,
MVG

2 comentários Adicione o seu

  1. Lucas disse:

    Há 2 anos, quando tinha 25 anos, já tinha terminado minha faculdade e ainda reprimia minha sexualidade, sofria muito com essa sensação de culpa pela masturbação e pornografia. Até que vi que o tempo estava passando e eu não podia levar minha vida daquele jeito. Decidi muito ansiosamente ter um relacionamento com uma pessoa de carne e osso, e isso fez toda diferença. Namoro esta pessoa até hoje e não sinto nenhuma vontade de buscar pornografia nem masturbação. Minha cura foi arrumar um relacionamento saudável e assumir pelo menos para mim que sou homossexual. É claro que o desejo sexual é natural do ser humano, principalmente para os homens e o organismo busca sempre uma forma de aliviar este desejo, seja através do sexo ou masturbação. Hoje vejo aquela situação por um outro ângulo. Desde que não se torne uma doença, não interfira em outras áreas da sua vida, a masturbação é normal quando não se tem um parceiro para satisfazer seus desejos. Mas aconselho a evoluir, tentar sair dessa condição e tentar relacionar-se com outra pessoa, mas não com qualquer um, alguém que te passe confiança, quem sabe um namorado. Comigo funcionou.

  2. Guilherme disse:

    Genteee… Não creio!! Que lindo você(s), pessoa(s) que faz(em) o MVG!! Meu comentário, minha dúvida, meu “problema” sendo trazido a tona em texto super incrível!! Pra alguém que já começa deixando claro que não se trata de ajuda profissional, achei muito construtivo, muito bem fundamentado sim. Parabéns e muito obrigado pelas super dicas!
    PS.: só fui ver agora, e meio que por acaso…
    :D

Deixe uma resposta