Com passas ou sem passas

Vai se aproximando aquele momento do ano em que, para muitos gays, certo terror ou preguiça se estabelece: a reunião familiar no Natal. O terror ou a preguiça está exatamente naquela hora que a tia, a avó, o tio ou o avô chegarão com a fatídica, ensaiada e recorrente pergunta: “Cadê a sua namorada, Zezito?”…

Então é Natal. E o que a gente faz com isso?

Natal é aquele tipo de coisa que a gente ama ou odeia. Quem ama não costuma ficar vangloriando o momento, embora sempre tem aqueles que fazem uma ode pelo Facebook, mais no sentido dos bons modos cristãos, dos desejos, da reunião familiar. Já os que odeiam costumam sempre despejar a repulsa na hipocrisia latente, dos…